sábado, 30 de abril de 2011

Bradley Manning, suspeito no caso WikiLeaks, sai da prisão solitária

Bradley Manning, o soldado americano acusado de fornecer centenas de milhares de documentos secretos para o WikiLeaks, não será mais mantido confinado em prisão solitária. O exército americano anunciou na quita-feira que Manning, na semana passada, havia sido transferido da base da Marinha de Quantico (na Virginia) para o centro de detenção do Forte Leavenworth, no Kansas -- aqui, ele terá a companhia de outros prisioneiros militares de segurança média que aguardam julgamento, terá sua própria cela, usará roupa normal de prisioneiro e terá acesso a áreas comunitárias durante o dia, segundo a agência Associated Press (AP).

Essas novas condições de vida contrastam drasticamente com as que Maning tinha em Quantico, onde era mantido numa solitária 23h por dia, era obrigado a ficar nu cada noite, e dormia com um macacão à prova de suicídio, segundo o jornal USA Today. Essa mudança significa que Manning não é mais considerado pelos militares um suicida em potencial, razão alegada por eles para mantê-lo em confinamento isolado e dar-lhe o tratamento que recebia em Quantico. Os advogados de Manning, e as pessoas que o apoiam, chamavam essas condições de desumanas e excessivamente severas, e a Anistia Internacional afirmou que o tratamento ministrado a ele pode ter violado seus direitos humanos. Sua transferência para Kansas ocorreu pouco depois de decorrida uma semana após um investigador de torturas da ONU haver declarado que lhe havia sido negada permissão para ter uma reunião privada com Manning em Quantico. (Fonte: aqui).  -- Ver postagens anteriores sobre Manning, uma em 08/02/2011, e a outra em 25/01/2011.

Presunção de pilantragem x presunção de inocência

No art. 5°, inciso LVIII, da Constituição Federal está consagrado o princípio de presunção (ou estado) de inocência, assim caracterizado: "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença penal condenatória". Inovador como poucos países no mundo, o Brasil criou, por prática e consenso, no Congresso Nacional o princípio de presunção (ou estado) de pilantragem -- temos nas duas casas do nosso Poder Legislativo numerosos, reiterados e reincidentes casos de congressistas que se têm destacado por um comportamento sistematicamente amoral e/ou aético, cidadãos indiciados por crimes diversos que são protegidos quase que única e exclusivamente pela extrema e irritante lentidão de nossa Justiça. A mais recente (e, certamente, jamais a última) demonstração disso é a composição simplesmente bizarra (p'ra dizer o mínimo) do Conselho de "Ética" (as aspas são minhas) do Senado, em que foram colocados ou reconduzidos membros que têm mais que o rabo preso em matéria de ética. -- Mesmo correndo o risco de ter uma postagem de texto um tanto ou quanto longo, reproduzo a seguir o trecho da coluna de Dora Kramer "Conceito de Ética", publicada no Estadão de ontem, referente a esse assunto.

Conceito de ética -- Dora Kramer


Seria impreciso dizer que o Senado chegou ao fundo do poço quando decidiu constituir um Conselho de Ética ao arrepio do decoro indispensável à atividade parlamentar. Isso porque o poço em que o Poder Legislativo resolveu já há algum tempo jogar sua credibilidade parece não ter fundo.

Entra ano, sai ano, entra escândalo, sai escândalo, os acontecimentos bizarros não têm fim, medida nem limites.

A presença de oito processados na Justiça entre os 15 titulares do conselho soa como uma contradição em termos. Agride à lógica da vida normal, mas está absolutamente de acordo com as regras do Congresso.

Mais: compõe perfeitamente o cenário da degradação. Todos os integrantes do conselho destinado a zelar pela ética na Casa são tão senadores quanto qualquer outro. A partir do momento em que seus pares não impuseram reparos a condutas julgadas no passado e os eleitores lhes confiaram delegação, podem participar de todas as atividades sem restrição.

A questão não é o que Renan Calheiros, que trocou a renúncia à presidência do Senado pela absolvição em processos por quebra de decoro, ou Gim Argello, investigado pela Polícia Federal e obrigado recentemente a renunciar à relatoria do Orçamento da União por suspeita de desvios na distribuição de emendas, estão fazendo no Conselho de Ética.

A pergunta correta é o que esses e outros estão fazendo no Senado e o que o Senado faz consigo ao, entre outras façanhas, reconduzir à presidência da Casa José Sarney e seu manancial de escândalos, cuja mais recente leva data de dois anos atrás.

Esse episódio do conselho ganhou repercussão, é tratado como um grande problema, mas é apenas parte do infortúnio que assola o Parlamento e, em boa medida, a sociedade que não exerce ela mesma o voto limpo enquanto não se institui de vez a obrigatoriedade legal da ficha limpa: a indiferença à ética, ao conjunto de valores que disciplinam o comportamento humano como atributo essencial à vida civilizada. Pública ou privada.

Embora a completa ausência de pudor, ainda que em grau apenas suficiente para a manutenção das aparências em colegiado presumidamente ético, fira os espíritos mais sensíveis, não se configura uma novidade em face da revogação geral de quaisquer valores balizadores de condutas.

Em ambiente onde um senador pode roubar um gravador - como fez Roberto Requião ao surrupiar o equipamento pertencente à rádio Bandeirantes e apagar do cartão de memória uma entrevista que não lhe interessava ver divulgada - e ainda assim ser defendido pelo presidente da Casa, não há poço que seja fundo o bastante para delimitar a fronteira entre a civilidade de fachada e a selvageria total.




Os chapéus do casamento de William & Kate

Se há uma coisa que me diverte e considero marcante nos ingleses é a absoluta tranquilidade com que suas mulheres usam os chapéus mais extravagantes e ridículos imagináveis, em qualquer reunião com alguma pompa e circunstância. Aí vão alguns dos chapéus usados no casamento de ontem de William e Kate.
Foto: Chris Jackson/Bitwy
Foto: Jasper Junena/AFP
Foto: Dave Thompson/AP
Foto: Gero Breloer/AP
Foto: WPA Pool/Getty Images
Foto:Chris Jackson/Bitwy
Foto: WPA Pool/Bitwy (A senhora de cinza claro é a mãe da noiva)
Foto: Kirsty Wigglesworth/Bitwy
Foto: WPA Pool/Bitwy

sexta-feira, 29 de abril de 2011

A limitação para a compra de terras por estrangeiros na Argentina e no Brasil

O governo argentino enviará ao Congresso um projeto de lei para impor limites à compra de terras rurais por pessoas e empresas estrangeiras -- o novo teto será de 1.000 hectares em todo o país, para cada indivíduo estrangeiro ou empresa com 51% ou mais de participação de capital do exterior. Além disso, é estabelecido que não se poderá vender a estrangeiros nem um hectare além do limite de 20% das terras rurais existentes na Argentina. -- Essa iniciativa foi anunciada ontem (27) pela presidente Cristina Fernández e, segundo fontes do governo, resume em boa medida vários dos 20 projetos apresentamos previamente ao Congresso sobre a matéria. A presidente argentina foi taxativa em afirmar que o projeto não é retroativo para os estrangeiros que já têm mais de 1.000 hectares no país. Leia mais.

O Brasil fez movimento semelhante, porém mais cedo, em agosto de 2008 -- no dia 24 desse mês, o Advogado-Geral da União, ministro Luís Inácio Lucena Adams, e o Consultor-Geral da União, Ronaldo Vieira Junior, explicaram em coletiva de imprensa os termos do parecer aprovado pelo presidente Lula, que limita a venda de terras brasileiras a estrangeiros ou empresas brasileiras controladas por estrangeiros. O documento fixa nova interpretação para a Lei n° 5.709/71, compatível com a nova realidade da estrutura fundiária nacional, e esclarece dúvidas quanto à aquisição ou arrendamento de imóveis rurais no Brasil por estrangeiros.

O parecer da AGU e da CGU prevê, entre outras restrições, que as empresas não poderão adquirir imóvel rural que tenha mais de 50 módulos de exploração indefinida. Só poderão ser adquiridos imóveis rurais destinados à implantação de projetos agrícolas, pecuários e industriais que estejam vinculados aos seus objetivos de negócios previstos em estatuto. Esses projetos devem ser aprovados pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário. As restrições alcançam também o tamanho da terra -- a soma das áreas rurais pertencentes a empresas estrangeiras ou controladas por estrangeiros não poderá ultrapassar 25% da superfície do município. Leia mais. Acho de extrema importância o fato de, finalmente, termos tido um governo explicitamente preocupado com um tema que, entre outros aspectos não menos relevantes, é de inegável gravidade para a segurança do país. Não sei como ficou a questão da exploração de recursos naturais diversos porventura existentes nas terras adquiridas por estrangeiros (o parecer citado tem 39 páginas).

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Avanços da ciência, aqui e lá fora (62)

  • Energia solar com ajuda de vírus -- Um grupo de pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, descobriu uma forma inusitada de melhorar a eficiência na conversão de energia solar em elétrica: por meio do uso de vírus. O estudo, publicado na revista Nature Nanotechnology, emprega também nanotubos de carbono para aumentar a eficiência no agrupamento de elétrons na superfície da célula solar para a produção de corrente elétrica. Leia mais.
  • Ministro se reúne com ucranianos para discutir cooperação bilateral -- A cooperação bilateral Brasil-Ucrânia foi discutida nesta terça-feira (26) no Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). Pela primeira vez neste ano, o ministro Aloizio Mercadante se reuniu com os representantes da empresa binacional Alcântara Cyclone Space (ACS) e com o presidente da Agência Estatal Espacial da Ucrânia (Nsau), Yuriy Alexeyev. A expectativa é a de que o primeiro voo do foguete brasileiro-ucraniano Cyclone-4 ocorra até dezembro de 2012. Leia mais.
  • Há oportunidade para montadora brasileira com tecnologia do carro elétrico, dizem especialistas -- Processo ainda deve demorar a se consolidar, mas País teria chance ímpar para empregar uma das mais promissoras tecnologias que começam a surgir no mercado. Leia mais.

Avanços da ciência, aqui e lá fora (61)

  • Ministro defende inovação tecnológica para crescimento do país -- O ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, defendeu ontem (27) o investimento em inovação científica e tecnológica como prioridade para o País manter o crescimento econômico com sustentabilidade ambiental. "O desafio é colocar ciência, tecnologia e inovação como eixo do desenvolvimento econômico e sustentável", afirmou o ministro na audiência pública na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados. Leia mais.
  • Capes ratifica acordo de cooperação entre Brasil e Espanha -- A Capes - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior e a Fundação Carolina, da Espanha, assinaram um acordo de ratificação de cooperação internacional entre os países, em que metade das bolsas disponibilizadas para 2012 seguirá para brasileiros estudarem na Espanha e metade para espanhóis estudarem no Brasil. Só em 2010 foram investidos R$ 1,4 milhões em projetos conjuntos de pesquisa com a Espanha, o que colaborou para que hoje o país seja o 5° no destino de bolsistas da Capes. Leia mais.

PIB americano reduz crescimento no primeiro trimestre de 2011

A taxa anualizada de crescimento do PIB americano no primeiro trimestre deste ano foi de 1,8%, uma queda acentuada em relação aos 3,1% do último trimestre de 2010 -- a previsão dos economistas era de 2%. Embora essa queda ilustre bem o desafio que os EUA vêm enfrentando para se recuperar de um longo período de fraco crescimento, analistas afirmam que, subjacente a isso, há na realidade um ritmo de crescimento maior neste primeiro trimestre do aquele número deixa entender, e é provável que haja uma recuperação no segundo trimestre. Eles observaram que vários dos fatores que deprimiram o crescimento da economia -- inverno severo, uma queda nos gastos com defesa (de impacto múltiplo na economia do país), e energia importada mais cara -- têm caráter de serem temporários.

"Levando tudo isso em conta, podia ter sido pior", disse Paul Ashworth, economista-chefe dos EUA na Capital Economics em um relatório, referindo-se ao impacto temporário dos preços da energia e de outros fatores. "No entanto, em um trimestre em que a economia começou a se beneficiar de dinheiro extra e de estímulo fiscal, tínhamos a expectativa de um resultado bem melhor", acrescentou.

Em uma histórica reunião com a imprensa na quarta-feira, o presidente do Banco Central dos EUA (Fed, para os americanos), Ben Bernanke, disse que o Fed vê como basicamente "transitórias" as condições que reduziram o crescimento da economia, mas acrescentou que alguns fatores, como o baixo nível de atividade na área de construção e possivelmente um pouco menos de ímpeto na economia , levaram o Banco Central a baixar suas previsões. Leia mais.

O PIB americano no primeiro tromestre de 2011. (The Washington Post)
*Variação percentual em relação ao trimestre anterior (taxa anualizada).

Edu Lobo, um fantástico privilégio brasileiro

Lendo hoje sobre o show de ontem de Edu Lobo no Instituto Moreira Salles, no Rio, cuja lotação se esgotou com 20 minutos de bilheteria, fiquei imaginando a felicidade de quem lá este e lamentei amargamente não ter podido me incluir entre esses felizardos. Entre músicos e compositores brasileiros vivos, tenho especial carinho e admiração por três deles: Edu Lobo, Chico Buarque e Paulinho da Viola (sem desdenhar, absolutamente, Caetano e Gil, mas em outro patamar) -- é extremamente difícil dar-lhes uma hierarquia, é coisa de cabeça com cabeça, mas reconheço ter milimétrica preferência por Edu. Nos três, além da genialidade, há o traço comum da extrema discrição. 

Edu tem uma carreira particularmente diferenciada dos outros dois: no auge da fama pós-festivais de música, com músicas como Ponteio estourando nas paradas, ele resolve desisistir de ser cantor (embora continue a sê-lo, e de mão cheia!) e decide ir para os Estados Unidos estudar música e, em particular, composição. De lá retorna ainda mais rico musicalmente, e ainda mais reconhecido e reverenciado por quem entende do riscado e compõe e/ou executa o melhor da nossa música.

Quem aprecia o que temos de melhor musicalmente falando e, em particular, também Edu Lobo (a corda e a caçamba), não pode deixar de ter o DVD Vento Bravo, da Biscoito Fino, um documentário que é uma janela (melhor seria se fosse uma ampla varanda) sobre a obra e as raízes de Edu Lobo. Seu gênio como compositor sensível e sofisticado serviu de abrigo, envoltório e cúmplice para letristas também geniais como Chico, Vinicius, Jobim, Paulo César Pinheiro, Capinam e Torquato Neto, entre outros. -- Na resenha que li sobre o show de ontem está dito que, sob lágrimas de Edu e dos espectadores, a apresentação se encerrou com "Canto Triste" (Edu & Vinicius) e "P'ra dizer adeus" (Edu & Torquato Neto) -- se lá estivesse, seria mais um chorão. Lamentando que este blogue não tenha som, reproduzo abaixo essas duas letras de uma carga emotiva e poética incomparável:

Canto Triste (Edu Lobo & Vinicius de Moraes)


Porque sempre foste a primavera em minha vida
Volta pra mim,
Desponta novamente no meu canto,
Eu te amo tanto mais, 

Te quero tanto mais
Ah! quanto tempo faz, partiste.

Como a primavera que também te viu partir
Sem um adeus sequer

E nada existe mais em minha vida
Como um carinho teu

Como um silêncio teu
Lembro um sorriso teu

Tão triste
Ah! lua sem compaixão
Sempre a vagar no céu
Onde se esconde a minha bem-amada

Onde a minha namorada
Vai e diz a ela as minhas penas
E que eu peço, peço apenas
Que ela lembre as nossas horas de poesia,
As noites de paixão,
E diz-lhe da saudade em que me viste
Que estou sozinho

Que só existe
Meu canto triste
Na solidão
                ****

P'ra dizer adeus (Edu Lobo & Torquato Neto)

Adeus,
Vou pra não voltar
E onde quer que eu vá 
Sei que vou sozinho
Tão sozinho, amor
Nem é bom pensar
Que eu não volto mais
Desse meu caminho
Ah!, pena eu não saber 
Como te contar
Que o amor foi tanto
E no entanto eu queria dizer
Vem, eu só sei dizer
Vem, nem que seja só
Pra dizer adeus.                 ****

Voo Air France AF447: encontrada a carcaça de uma das caixas pretas, sem os dados do voo

Começou no dia 26 deste a delicada operação de resgate dos destroços do avião da Air France que fazia o voo Rio - Paris e mergulhou no Atlântico em 1 de junho de 2009. Os investigadores anunciaram ontem haver encontrado a carcaça de uma das caixas pretas do A330 acidentado, mas sem a parte que contém os dados de voo que permitiriam conhecer melhor as condições em que ocorreu o acidente, conforme comunicado do Birô de Investigação e Análise da aviação civil francesa (BEA).

A carcaça encontrada estava rodeada de outros destroços do avião, informou ainda o BEA. "A seção protegida -- ou módulo de memória -- é normalmente conectada à carcaça, mas é muito mais pesada que esta; ela sem dúvida se separou da carcaça sob o efeito do impacto com a superfície da água", explicou à Agência France Press (AFP) o diretor do BEA, Jean-Paul Troadec. "Por ter uma inércia maior que a carcaça, é provável que aquela seção tenha seguido uma trajetória diferente daquela da carcaça, por causa das correntes (marinhas)", acrescentou ele. Ontem de manhã começou um novo mergulho do submarino-robô Remora 6000, para tentar localizar essa seção, que tem cerca de 20 cm, contra 60 cm da carcaça.

A prioridade dos investigadores é encontrar esses registradores de parâmetros do voo e das conversas na cabine de comando, que são as denominadas caixas pretas. Mas, outros elementos poderiam também fornecer informações importantes para a investigação: os elementos de sustentação da aeronave, para verificar seu estado no momento do impacto, os motores, ou ainda a cabine de comando e seus computadores de bordo. (Fonte: aqui).
Uma imagem do pedaço de caixa preta (que, na realidade, é de cor laranja) encontrado pelo robô Remora 6000 no dia 26 de abril. (Johann Peschel/AFP)

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Disputa de lugar para os restos mortais de dois papas gera polêmica

A basílica de São Pedro, em Roma, é também um cemitério: 148 papas decidiram passar sua eternidade nas cavernas ou catacumbas vaticanas sob a basílica ou, depois de sua beatificação, em uma capela na própria basílica. É nesta última que chegará, no domingo 1° de maio, João Paulo II, que será beatificado nesse dia e cujos restos mortais serão por assim dizer "remontados" para serem expostos na capela de São Sebastião, vizinha à Pietà de Michelangelo.

Foi com a transferência dos restos de João Paulo II que surgiu uma situação um tanto inusitada: para criar espaço, foi necessário deslocar para outro lugar no dia 7 de abril os restos mortais de outro papa que ali já estavam -- trata-se de Inocêncio XI (1611-1689), beatificado em 1956 por Pio XII, que acabou sofrendo as consequências dessa desarrumação. "Algo jamais visto", reagiram Francesco Sorti e Rita Monaldi, que em 2002 fizeram um filme histórico sobre Inocêncio XI. Apesar de que os restos mortais de alguns papas (Eugênio IV, Calixto III, Alexandre VI e Pio II) já foram transferidos para outras igrejas romanas, jamais um soberano pontífice havia "expulsado" outro, como agora.

Esse caso é simplesmente um problema de espaço, ou foi um ato político? Para os ultracatólicos, essa troca de restos mortais não tem nada a ver com a necessidade de melhor expor a tumba de João Paulo II à curiosidade dos visitantes, como alega o Vaticano. Trata-se de uma decisão política. Controvertido ou não, Inocêncio XI, de quem se deveria comemorar o 400° centenário de nascimento, teria sido vítima de uma "cabala progressista", de uma "conspiração do silêncio" e "atingido em seu exílio interior". Depois de um longo tempo, decidiu-se entre o papa que barrou os turcos em Viena e João Paulo II que, na Síria, beijou o Corão em 14 de maio de 1999.

Nascido Bruno Odescalchi, Inocêncio XI chegou à honra dos altares por sua atuação quando da batalha de Viena que, em 1683, permitiu barrar a entrada dos turcos na Europa. Foi conhecido também por ser pródigo com os humildes, e por  se opor a Luiz XIV. Seu acesso à santidade foi sempre dificultado -- a França, por exemplo, por longo tempo se opôs à sua canonização. Leia mais. Ver também postagem anterior sobre a beatificação de João Paulo II.

Obama publica sua certidão de nascimento

Os EUA e os americanos sempre me surpreendem com sua infinita capacidade de bisbilhotar a vida de seus cidadãos pelas razões mais ridículas possíveis, e perder tempo com mesquinharias e questiúnculas, mesmo em momentos em que o país esteja passando por maus bocados, dentro e fora de suas fronteiras. Apesar da crise econômica interna, da guerra complicada no Afeganistão, da ainda intrincada "devolução" completa do controle de segurança nacional aos iraquianos, do imbróglio da intervenção armada na Líbia, etc, etc, os americanos ainda encontram tempo e se deleitam em fofocar que Obama na realidade não é cidadão americano e, portanto, não poderia ser presidente dos EUA e muito menos se candidatar à reeleição ...  Além dos meios de comunicação, um dos maiores exploradores dessa boataria, senão o maior deles, é o empresário Donald Trump, aquele que disfarça a calvície com um penteado ridículo e apresenta um reality show na TV americana.

Por mais bizarro e estapafúrdio que isso possa parecer, a fofoca ganhou corpo e Obama acabou decidindo por divulgar sua certidão de nascimento -- além de Trump, o Tea Party também estava explorando a fofoca. O presidente americano se declarou "perplexo" com as teorias sobre o lugar onde nascera, e aproveitou uma entrevista à imprensa para afirmar que a obsessão dos meios de comunicação com esse assunto estavia desviando a atenção do país para coisas menores, num momento difícil para a nação americana. Pela certidão apresentada, Barack Hussein Obama nasceu em 4 de agosto de 1961 em Honolulu, na ilha havaiana de Oahu, filho de um queniano e de uma americana "branca como o leite de Kansas" -- nas palavras do próprio Obama -- e passou parte de sua infância na Indonésia. Seu segundo nome é parte da herança muçulmana de seu pai. Leia mais.
Imagem da certidão de nascimento de Obama, divulgada pela Casa Branca (clique na imagem, se quiser ampliá-la).

terça-feira, 26 de abril de 2011

Roberto Requião, machão de faroeste italiano e político medíocre

O hoje senador Roberto Requião (PMDB-PR) sempre primou por ser metido a irônico e desempenhar-se mediocremente na política -- a este respeitável currículo acrescentou o desempenho como parasita do erário de seu Estado, com a maracutaia de receber vitaliciamente a pensão de R$ 24.000,00 como ex-governador. Não satisfeito com sua folha corrida, decidiu mostrar agora novamente (é reincidente nisto) o lado rufião de seu caráter, ameaçando bater em um repórter, depois de tomar-lhe o gravador, por ter ele tido a "ousadia" de lhe perguntar se abriria mão da mordomia da pensão (ora questionada na Justiça) face à crise financeira do governo do Paraná. Depois, se vangloriou do feito na internet.

Não é a primeira vez que o senador tem problemas com jornalistas. Durante sua administração como governador do Paraná ele fez campanha publicitária contra veículos de imprensa, xingou jornalistas e chegou a agredir um repórter em uma viagem a Centenário do Sul. Na ocasião, em 2004, Requião torceu o dedo de um jornalista que insistiu em uma pergunta e só parou diante do protesto de outros repórteres. Leia mais.

Na manhã de hoje, o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal protocolou na Mesa Diretora do Senado representação contra o senador. O sindicato pede que o Senado aplique medidas disciplinares contra Requião. A reação de Sarney, presidente do Senado, p'ra variar foi ridícula e conivente com a baixaria, dizendo que a reação de Requião foi "uma questão de temperamento" (leia aqui). Pelo visto, é quase certo que o corporativismo medíocre que reina entre os senadores deixará impune mais esse bravateiro, que mais parece um segurança de inferninho que um senador da República.
Senador Roberto Requião (PMDB-PR) é criticado pela ANJ - Associação Nacional de Jornais após retirar gravador de jornalista. (Sergio Lima/Folhapress)

Brasil, o país dos paradoxos: para a Receita Federal você pode adoecer à vontade, mas para educar-se há limite ...

Creio não ser uma exceção, ao considerar extremamente estressante e irritante o período de preenchimento e envio da Declaração de Rendimentos anual para a Receita Federal. Independente da molecagem (para usar um termo bem suave) de não se ter, como de direito e também por questão de honestidade de princípios, a devida correção pelo Governo da tabela progressiva de alíquotas de tributação do imposto de renda, essa é a época da nossa vida cidadã em que temos a nítida, explícita, cristalina e diáfana visão do assalto à mão armada, sem direito ou chance de defesa, de que os assalariados são vítimas da máquina fiscal do Estado.

Vitimados por uma visão absolutamente gélida, glacial e indiferente da Receita Federal, sempre apoiada pelo presidente reinante, qualquer que seja sua filiação partidária ou a mentira da justiça social que sempre jura defender,  somos presa de uma visão monocrática absurda de que é preciso sempre aumentar a arrecadação, não importa como, nem o destino a ser dado ao que se arrecada. E o instinto predatório desenfreado desse animal fiscal do governo não se contenta em nos atacar e ferir mensalmente, mas quer ainda se fartar quando do cálculo do "imposto a pagar" decorrido o ano.

Nada ilustra melhor a estupidez do nosso sistema tributário da Receita, e nada explica mais inequivocamente porque somos o 88° (ou algo assim) país do mundo em matéria de educação, segundo a Unesco, do que o conceito de limitação de gastos dedutiveis do imposto devido vigente no Brasil. Atestando por escrito que o governo aceita, reconhece e oficializa que somos, por natureza e destino, um país de doentes e iletrados (ou incultos, ou deficientes educacionais e culturais, como queiram), o regulamento da Receita Federal para Pessoa Física não estabelece -- acertadamente -- limites para despesas médicas, mas fixa -- estúpida e ridiculamente -- limite para despesas com educação!! Como nossos tributaristas são, via de regra, inegavelmente competentes do ponto de vista estritamente técnico, fica patente a perversidade do sistema tributário que nos é imposto nessa área. O governo nos diz claramente : não me importo que você viva adoentado e pendurado em médicos, nem o que isto me custa do ponto de vista socioeconômico, mas não me venha com a idéia de educar-se e se aperfeiçoar além do mínimo indispensável! -- Como a educação é  uma arma poderosa igualmente na proteção à saúde, fica simplesmente impossível entender qual é a lógica suicida de desestímulo à educação também (e até) pela via tributária!

O dilema chinês: o que fazer com 3 trilhões de dólares?

Dilema em Pequim (ou Beijing, como querem alguns): o que fazer com 3 trilhões de dólares? Salvar o euro, para que os europeus continuem comprando? Apoderar-se dos direitos sobre minerais pelo mundo afora? Gastá-los em importações? Colocá-los debaixo de um colchão -- ou em bônus do Tesouro americano -- e deixar que essa pilha de dinheiro continue crescendo?

No que é considerado um reconhecimento de que algumas das políticas econômicas básicas chinesas estão causando problemas, o presidente do Banco Central chinês, Zhou Xiaochuan, disse na semana passada que o país estava, de fato, sofrendo por excesso de dinheiro. As reservas em moeda estrangeira da China alcançaram 3 trilhões de dólares em março, depois de sofrer um aumento de 25% só no ano passado, uma taxa de crescimento que está alimentando a inflação e tornando-se difícil de administrar, disse Zhou.

O montante das reservas é um dos parâmetros básicos que medem as relações econômicas da China com o resto do mundo -- o excesso de dinheiro entrando no país para investimentos e para pagar o que o mundo importa dos chineses. Zhou não chegou a recomendar uma solução para essa situação, mas o acúmulo de reservas está intimamente ligado à prática chinesa de manter sua taxa de conversão para o dólar baixa e relativamente estável. Zhou é considerado um reformador em termos de política monetária e em outras políticas financeiras, mas é uma voz minoritária. O Banco Central chinês não é independente, responde a um Conselho Estatal que joga com as às vezes conflitantes prioridades dos exportadores, das companhias estatais, dos governos locais e de outras facções -- Zhou não é membro do Conselho. Leia mais.

Impressionante: nas mãos de 0,2% das famílias russas estão 70% das riquezas da Rússia!

Quer sob a ótica comunista, quer sob a ótica socialista, a Rússia de hoje é distoante de suas origens revolucionárias e dá mostras de ter um pequeno núcleo de habitantes adepto do capitalismo selvagem. Segundo artigo divulgado hoje (25/4/11) pela publicação Ria Novosti, o vice-presidente do Tribunal de Contas russo, Valeri Goregliad, informou que 0,2% das famílias da Rússia controla quase 70% da riqueza do país -- "esta desigualdade não pode incentivar o crescimento econômico", acrescentou ele.

Disse ainda aquela autoridade que encara esse problema não do ponto de vista social, "mas da eficiência econômica" -- segundo ele, o modelo atual não pode ser estável, quando o Estado tem que manter sozinho o setor social do país. "Na Rússia, a distribuição do produto de valor agregado é extremamente deformada, e se constitui em um fator de contenção do desenvolvimento econômico", acrescentou.  Por último, Valeri Goregliad afirmou que de nenhuma maneira se deve, sem fundamentos, aumentar o salário mínimo sem que ocorra correspondentemente o crescimento do rendimento do trabalho. "Hoje o salário médio na Rússia vale de 40 a 60% do salário médio europeu e, na realidade, o rendimento do trabalho nas empresas russas não cresce com a mesma velocidade", finalizou ele. (Fonte: aqui).
Tribunal de Contas da Rússia. (Vladimir Fedorenko/Ria Novosti)

segunda-feira, 25 de abril de 2011

O caça russo Su-35 voltará a participar da concorrência da FAB, dizem seus fabricantes

Esta notícia me foi trazida por um dileto amigo, a quem agradeço.  -- Uma fonte do setor militar russo informou à publicação Ria Novosti, no dia 22 deste, que o caça russo Su-35 voltará a participar da concorrência para equipar a Força Aérea Brasileira (FAB) com aviões de combate polivalentes. Ver postagem anterior sobre essa concorrência.

"A concorrência será retomada proximamente como F-X3, com a participação do caça russo Su-35, que tem boas possibilidades de ganhar  pelas referências favoráveis feitas sobre ele pelo comando da Força Aérea Brasileira", disse a fonte, que acrescentou que para isso influenciou o encontro entre o presidente russo Dmitri Medvédev e a presidente brasileira Dilma Rousseff na reunião de cúpula do grupo BRICS na China, dia 14 deste, ocasião em que essa concorrência foi abordada. A primeira concorrência, com a sigla F-X, foi aberta em 2001 e suspensa em 2005, reaberta em 2008 como F-X2 e novamente suspensa em 2010 -- os concorrentes iniciais, além do Su-35, eram o americano F-18 Super Hornet, o francês Rafale, o sueco JAS 39 Gripen NG, e o europeu Eurofighter Typhoon. O Su-35 da geração "4++" ofertado pela exportadora estatatal russa de armas Rosoboronexport, foi eliminado da concorrência em 2008. Veja aqui.
O caça russo polivalente Su-35. (Anton Denisov/Ria Novosti)

Piolhos, até as melhores famílias inglesas sofrem com eles ...

Quem diria, piolhos no Reino Unido!! Centenas de pais de alunos da escola primária da Igreja de Cristo da cidadezinha de Rhyl (costa nordeste do País de Gales, Reino Unido, com cerca de 25.000 habitantes) assinaram uma petição para a volta à escola das chamadas "enfermeiras de lêndeas" (nit nurses) -- existentes há anos atrás no Reino Unido, essas profissionais faziam inspeções que eram motivo de vergonha e embaraço para gerações de crianças escolares e foram gradualmente sendo descartadas nos anos 1990, porque sua atuação era considerada intrusiva. Elas costumavam visitar as escolas uma ou duas vezes por ano, e inspecionavam as cabeças dos alunos com um pente fino -- se fossem encontrados piolhos, os pais eram aconselhados a tratar os cabelos de seus filhos com uma loção especial. (Fonte: aqui).

A petição está sendo organizada pelas mães das crianças daquela escola, sob a alegação de que os piolhos tornaram-se um "problema de saúde nacional" que precisa ser enfrentado. Elas contam com o apoio de Chris Ruane, uma parlamentar trabalhista que representa o Vale de Clwyd, que diz lembrar-se das visitas daquelas enfermeiras e defende sua reintrodução pelas autoridades ligadas à saúde e à educação. Leia mais.
Sessão para localizar e matar piolhos com uma "enfermeira de lêndeas" -- as meninas ficavam alinhadas para terem seus cabelos inspecionados. (Alamy)
Um piolho, cujo nome científico é pediculus humanus capitis, visto com um microscópio. (Alamy)
 Um tipo de pente fino usado para descobrir lêndeas e piolhos. (Aaron Tilley/The Guardian)

Tentando desatar o nó da educação no Brasil

Volto a falar da questão da educação no Brasil, um problema que me preocupa e aflige permanentemente -- minha postagem mais recente sobre este assunto foi neste mês de abril, mas há várias outras agrupadas no item "Educação" deste blogue. Desta vez, reproduzo trechos de um artigo do dia 21 deste mês, do jornal The Washington Post (WP), que aborda como várias empresas privadas brasileiras estão elas mesmas buscando resolver o problema de educação e da falta de mão de obra qualificada que as aflige.

O WP diz em seu texto que o Brasil se orgulha de ser uma potência econômica crescente e, cada vez mais, um player no comércio global, mas muitos brasileiros se perguntam se o nosso medíocre (no original, lackluster, que pode ser traduzido como sem vivacidade ou vitalidade, medíocre) sistema de educação pública, que luta para educar 50 milhões de crianças, é capaz de gerar em tempo hábil um número suficiente de jovens adultos bem preparados, de modo que o país possa continuar competindo com concorrentes como China e Coréia do Sul.

Por todo o país, menciona o WP, companhias ou suas fundações estão criando e administrando suas próprias escolas, desenvolvendo novas metodologias de ensino ou aperfeiçoando a administração escolar. As que oferecem educação completa gratuita têm oportunidades e financiamento limitados, e são "uma gota d'água no oceano", como afirmou uma porta-voz do Ministério da Educação. -- Entre as empresas envolvidas nesse processo de prestação direta de ensino são citadas o Bradesco, o frigorífico JBS, a Siderúrgica Gerdau e a Embraer (esta última com uma escola de ensino secundário com 600 alunos).

Embora um estudo de 2007 da Universidade de Harvard tenha identificado que alguns desses programas são difíceis de acessar e, em alguns casos, geram desperdícios, o escopo amplo do envolvimento privado na educação está ganhando atenção no país à medida que os brasileiros se tornam cada vez mais conscientes da necessidade de melhorar o nível educacional nas salas de aula. Leia mais.
Flávia Witzel (28 anos), uma professora de jardim de infância em Osasco (SP), foi educada em uma escola do Bradesco. (Juan Forero/Washington Post)

domingo, 24 de abril de 2011

A Prefeitura do Rio não protege o Aterro do Flamengo

Quem quer que viva no Rio, ou por ele passe, não deixa de se deslumbrar com o Aterro do Flamengo, uma jóia numa cidade maravilhosa, uma harmonia perfeita de natureza e ambiente gerada pelo gênio de Burle Marx. Apesar disso, e do que vale e representa para a cidade, sucessivos prefeitos têm permitido que ele se transforme em palco e platéia de megaeventos, geralmente religiosos, que o castigam impiedosamente. O atual prefeito, Eduardo Paes, certamente numa crise de ressaca ou enxaqueca, chegou a cogitar de nele realizar uma etapa da corrida de carros da Fórmula Indy americana, uma megaestupidez.

A mais recente agressão ao Aterro deu-se na quinta-feira santa, com a realização de um evento religioso inexplicavelmente autorizado pela prefeitura, reunindo um público estimado em 50 mil pessoas -- imaginem esse monte de gente, ocupando e pisoteando o Aterro! Felizmente, para o local e a cidade, o feriadão falou mais alto que a religiosidade, e a afluência de gente foi a metade da prevista. Pode-se facilmente imaginar a cara do Aterro depois de receber 100 mil pessoas ...

Há duas coisas, pelo menos, que me intrigam nessas manifestações religiosas dos chamados "crentes" (em oposição aos "católicos") -- justiça se faça, os católicos são bem mais discretos --: uma, a mania de fazer manifestações públicas volumosas em locais absolutamente impróprios (essa gente adora o Aterro, no que, inegavelmente, tem bom gosto), a outra a de serem especialmente barulhentos. Fico também sem entender porque o deus e o diabo desses crentes são evidentemente surdos ou quase isto, pois pastores e bispos só lhes falam aos berros! Uma sexta-feira dessas à noite, a caminho de uma roda de samba no maravilhoso Trapiche Gamboa por volta das 21h, cheguei a dar uma parada defronte a uma dessas milhares de igrejas "universais" ou equivalentes que entopem a cidade, ali pertinho na Sacadura Cabral, e fiquei espantado com a gritaria reinante, apesar do local estar com meia lotação. Pelo jeito, era uma sessão de exorcização em que o pastor ou bispo (a hierarquia dessa gente é confusa) apopleticamente aos berros mandava o demônio (também não consigo guardar a enxurrada de nomes dados a essa figura) se afastar, e a plateia respondia no mesmo diapasão. Quem queria dormir por perto, danou-se.

De duas, uma: ou o deus e o demônio desse pessoal são ambos surdos, ou os pastores e bispos querem incutir em seus seguidores a impressão de que aquelas duas entidades só atendem "no grito" -- qualquer das duas hipóteses me soa muito esdrúxula.

Em carta que enviei ao Globo nesta semana hoje findante, e por ele publicada, propus que se proíbam quaisquer manifestações coletivas no Aterro do Flamengo e que a cidade reserve um espaço exclusivo para isso, algo como um "Rezódromo", ou então que o Sambódromo passe também a abrigar esse tipo de aglomeração.
Uma imagem do Aterro do Flamengo. (Google)
Outra imagem do Aterro do Flamengo. (Google)

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Dois mortos em um tiroteio em plena Paris

Eis uma notícia que muito raramente se vê: um tiroteio com dois mortos em plena cidade de Paris! No que parece ser certamente um acerto de contas, um tiroteio na noite dessa quinta para sexta-feira na varanda de um bar do 14° distrito/"bairro" de Paris, na rua d'Alésia, deixou dois mortos e um gravemente ferido. Dois homens encapuzados, fortemente armados e usando braçadeiras, entraram no estabelecimento por volta das 22h30 e abriram fogo conta três pessoas em uma mesa. As vítimas eram ciganos e tinham entre 25 e 30 anos. Os criminosos partiram em seguida tranquilamente em um carro, que depois foi encontrado incendiado. A polícia iniciou uma investigação sobre o ocorrido. (Fonte: aqui).
O café "Le Plaisance", onde ocorreu o crime. (Fonte: RTL)

França estuda uma revisão do Tratado de Schengen, que permite a livre circulação de pessoas entre seus signatários

A França de Sarkozy continua inquieta e desconfortável com problemas com imigrantes, alguns criados por ela mesma e outros vindos de fora. Entre estes, estão os agravados agora com o fluxo de imigrantes do norte da África -- especialmente da Tunísia e da Líbia -- via Itália, em decorrência do conflito armado na Líbia e da insegurança política da Tunísia. Por conta disso, segundo informaram hoje fontes do governo, a França cogita da suspensão provisória do Tratado de Schengen, que permite a livre circulação de pessoas no espaço dos países signatários, sem a necessidade de apresentação de passaportes nas fronteiras -- inicialmente firmado por cinco países (Alemanha, Bélgica, França, Holanda e Luxemburgo) em 14/6/1985, esse acordo engloba hoje 24 nações europeias.

O governo francês afirmou que "o mandato concedido por Schengen é falho -- nos parece que é preciso pensar em um mecanismo que  permita intervir quando ocorrer uma deficiência do sistema em uma fronteira externa (à União Europeia), através de uma suspensão provisória durante o tempo em que essa deficiência não for sanada". Entre os mecanismos para essa atuação a França preconiza "reforçar o Frontex", a agência europeia de vigilância fronteiriça -- outra alternativa, não excludente daquela, seria "pensar em um mecanismo de cláusula de salvaguarda".

No domingo passado, a França provocou a ira do governo italiano, ao suspender durante algumas horas a circulação de trens vindos da Itália para a França, provenientes da cidade italiana de Ventimiglia em direção ao sudeste francês, alegando a possibilidade da ocorrência de desordem pública com a chegada de um trem lotado de imigrantes tunisianos, acompanhados por ativistas de direitos humanos. A França mostrava assim seu aborrecimento com a decisão italiana de conceder permissões de residência temporária, de seis meses de duração, aos mais de 20.000  tunisianos chegados às costas da Itália desde janeiro. "Há uma primeira regra que prevalece no Tratrado de Schengen, que estipula que o primeiro país de entrada é o que administra a população imigrante", recordou na segunda-feira passada o ministro do Interior francês, Claude Guéant. Leia mais.

Navio francês parte em busca das caixas pretas do voo AF 447 da Air France

O navio francês Île de Sein, que realizará a operação de buscas das caixas pretas do voo AF 447 da Air France, partiu de Las Palmas (Ilhas Canárias) e deverá chegar  à área onde foram localizados os destroços do avião que caiu no Atlântico em 2009 por volta do dia 28 de abril. Ele deverá antes fazer uma escala em Dacar (Senegal) para embarcar o ROV (Veículo Operado Remotamente, em inglês) Remora 6000 e a equipe da empresa americana Phoenix, que opera o veículo autônomo submersível capaz de operar até 6.400 m de profundidade. O comandante da missão é o francês Alain Brouillard, investigador-chefe do BEA (sigla em francês do Escritório de Investigações e Análises da Aviação Civil da França), acompanhado de três outros representantes do BEA, de um representante da britânica Air Accidents Investigations Branch, e do coronel aviador da FAB Luis Cláudio Lupoli, investigador do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA). Leia mais.

O trabalho dos investigadores será facilitado, porque já foi feita a localização geográfica dos destroços -- os especialistas do BEA já sabem, portanto, a posição geográfica exata da parte traseira do avião, onde são instaladas as caixas pretas desses aviões. O BEA não sabe ainda, no entanto, se essas caixas estariam ainda presas na fuselagem do avião ou se teriam sido projetadas para fora dela em razão do impacto da aeronave com a água e, depois, com o fundo do mar. Outra incógnita é se os dados das duas caixas pretas, que contêm os parâmetros técnicos do voo e as gravações das conversas dos pilotos, poderiam ser extraídos e analisados após terem ficado quase dois anos submersos a 3,9 mil metros de profundidade. As caixas pretas são consideradas fundamentais para descobrir as causas do acidente -- se forem localizadas, serão colocadas em uma fragata da marinha francesa, que sairá de Caiena, na Guiana Francesa, para recuperá-las e levá-las à França.

O BEA também afirma que não sabe ainda se os corpos das vítimas poderão ser resgatados nessa operação de buscas. A decisão, que cabe exclusivamente a representantes da Justiça francesa, será tomada a bordo do navio, diz o BEA. Os investigadores não sabem se os restos mortais poderiam resistir às manipulações do robô. De acordo com os primeiros cálculos feitos por especialistas, um tipo de "cesta" ligada a cabos poderia levar os corpos à superfície. Leia maisVeja também postagem anterior sobre o assunto.

Embarcando, encantado, na genialidade de Vinicius de Moraes e Chico Buarque

Depois de passar por notícias como, entre outras, a chacina de Realengo, a guerra exquisita e violenta do Líbano, as mutretas dos nossos políticos, os vexames dos nossos aeroportos e os ecos do mensalão, resolvi dar uma pausa e recorrer a Vinicius de Moraes e a Chico Buarque, para desanuviar a mente e o coração.  Aí vai uma pequena amostra desses dois gênios tupiquins universais.

Soneto da separação (Vinicius de Moraes)

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.
****************
Pensamento de Vinicius de Moraes

"Nádegas é importantíssimo. Grave, porém, é o
problema das saboneteiras. Uma mulher sem saboneteiras
é como um rio sem pontes".
****************

Soneto de Fidelidade (Vinicius de Moraes)


De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.
*******************

Construção (Chico Buarque)

Amou daquela vez como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a última
E cada filho seu como se fosse o único
E atravessou a rua com seu passo tímido
Subiu a construção como se fosse máquina
Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
Tijolo com tijolo num desenho mágico
Seus olhos embotados de cimento e lágrima
Sentou pra descansar como se fosse sábado
Comeu feijão com arroz como se fosse um príncipe
Bebeu e soluçou como se fosse um náufrago
Dançou e gargalhou como se ouvisse música
E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
E flutuou no ar como se fosse um pássaro
E se acbou no chão feito um pacote flácido
Agonizou no meio do passeio público
Morreu na contramão atrapalhando o tráfego

Amou daquela vez como se fosse o último
Beijou sua mulher como se fosse a única
E cada filho seu como se fosse o pródigo
E atravessou a rua com seu passo bêbado
Subiu a construção como se fosse sólido
Ergueu no patamar quatro paredes mágicas
Tijolo com tijolo num desenho lógico
Seus olhos embotados de cimento e tráfego
Sentou pra descansar como se fosse um príncipe
Comeu feijão com arroz como se fosse máquina
Dançou e gargalhou como se fosse o próximo
E tropeçou no céu como se ouvisse música
E flutuou no ar como se fosse sábado
E se acabou no chão feito um pacote tímido
Agonizou no meio do passeio náufrago
Morreu na contramão atrapalhando o público

Amou daquela vez como se fosse máquina
Beijou sua mulher como se fosse lógico
Ergueu no patamar quatro paredes flácidas
Sentou pra descansar como se fosse um pássaro
E flutuou no ar como se fosse um príncipe
E se acabou no chão feito um pacote bêbado
Morreu na contramão atrapalhando o sábado
********************

Eu te amo (Chico Buarque)


Ah, se já perdemos a noção da hora
Se juntos já jogamos tudo fora
Me conta agora como hei de partir

Se, ao te conhecer, dei pra sonhar, fiz tantos desvarios
Rompi com o mundo, queimei meus navios
Me diz pra onde é que inda posso ir

Se nós nas travessuras das noites eternas
Já confundimos tanto as nossas pernas
Diz com que pernas eu devo seguir

Se entornaste a nossa sorte pelo chão
Se na bagunça do teu coração
Meu sangue errou de veia e se perdeu

Como, se na desordem do armários embutido
Meu paletó enlaça o teu vestido
E o meu sapato inda pisa no teu

Como, se nos amamos feito dois pagãos
Teus seios inda estão nas minhas mãos
Me explica como que cara eu vou sair

Não, acho que estás te fazendo de tonta
Te dei meus olhos pra tomares conta
Agora conta como hei de partir
***************

Atrás da Porta (Chico Buarque)

Quando olhaste bem nos olhos meus
E o teu olhar era de adeus
Juro que não acreditei, eu te estranhei
Me debrucei sobre teu corpo e duvidei
E me arrastei e te arranhei
E me agarrei nos teus cabelos
No teu peito, teu pijama
Nos teus pés ao pé da cama
Sem carinho, sem coberta
No tapete atrás da porta
Reclamei baixinho
Dei pra maldizer o nosso lar
Pra sujar teu nome, te humilhar
E me vingar a qualquer preço
Te adorando pelo avesso
P'ra mostrar que ainda sou tua
***********

Mario Vargas Llosa, um escritor de respeito

Gosto do peruano Vargas Llosa e o admiro, não apenas pelo excelente escritor que é mas também por sua corajosa, coerente e pertinaz posição política -- pelas entrevistas que já li e ouvi dele percebe-se que é também um bom papo. Foi agraciado com o Preêmio Nobel de Literatura em 2010. Andou batendo de frente com a política e o atual presidente de seu país, Alan García, candidatou-se à presidência e perdeu para Alberto Fujimori, de quem é até hoje tenaz opositor -- apoiou inicialmente Fidel Castro e, depois, se desencantou. Vive desde os anos 90 em Madri, mas passa três meses do ano no Peru, com seus familiares. É um ferrenho defensor da liberdade de expressão, o que volta e meia o coloca em oposição direta com governos e políticos de diferentes rincões do planeta.

Por sua posição política de contundente defensor da liberdade de expressão e de intransigente opositor a qualquer restrição ou agressão aos direitos humanos, Vargas Llosa frequentemente se vê vítima de agressões verbais e públicas de regimes e políticos que se irritam com suas atitudes. O mais recente exemplo disso foi a maneira extremamente grosseira com foi e tem sido tratado pelo governo argentino de Cristina Kirchner. Convidado especial para a abertura da 37ª Feira do Livro de Buenos Aires, nesta semana, viu-se impedido de fazê-lo por pressão do governo e só pôde proferir seu discurso formal 24 h depois da abertura oficial do evento, cercado de expectativa e para uma sala abarrotada. Vargas Llosa não se ofendeu com a alteração do programa. "Meu discurso não mudará por causa disso, defender o direito de que os livros sejam livres é defender nosso direito de cidadãos, o fogo precioso que a atiça, mantém e renova", disse ele. Fez uma defesa apaixonada dos livros: "Basta que celebremos com suas páginas essa operação mágica que é a leitura, para que a vida exploda neles", acrescentou. Disse ainda, no discurso, que "é preciso seguir exercendo a liberdade com prudência e sem beligerância", sendo ovacionado pelos presentes.

O escritor peruano teve que suportar um grupo de piqueteiros "ideológicos" que bloqueou o trânsito em frente ao seu hotel, e depois se viu constrangido a andar com proteção pelas ruas da cidade. O ministro da Educação, Alberto Sileone, transformou o ato inaugural da feira em um puro e duro comício político. Conseguiu a inusitada façanha de inaugurar uma Feira do Livro em uma capital latino-americana, sem sequer mencionar que um escritor da região era o mais recente agraciado Prêmio Nobel de Literatura.

Vargas Llosa se reconhece cansado e aborrecido com esse tipo de polêmica, e lamentou que tenham conseguido estragar sua viagem a Buenos Aires, algo que sempre fez antes com enorme prazer. Disse desejar que escolham logo um novo Nobel da Literatura, para que fique livre da enorme pressão que isso tem exercido sobre ele. Mas não está disposto a permitir que ninguém o impeça de falar livremente, e muito menos em uma Feira do Livro. "Isso seria admitir a derrota frente aos energúmenos", protestou ele. Foi contra ele, os censores e os energúmenos, que dirigiu seu discurso semi-inaugural. Leia mais.
O escritor peruano Mario Vargas Llosa, em um momento de sua fala na Feira do Livro de Buenos Aires.(Juan Mabromata/AFP)

Tremores subsequentes ao terremoto de 11 de março geram precauções em Fukushima

Estão sendo feitos esforços para manter o suprimento de energia e as funções de resfriamento na usina nuclear japonesa danificada de Fukushima Daiichi, caso outro terremoto e outro tsunami a atinjam. Essa iniciativa de precaução se processa no momento em que são oferecidos pagamentos iniciais de compensação para os residentes evacuados nas imediações da usina.

Após uma série de tremores subsequentes ao terremoto de 11 de março -- alguns chegando ao nível 7 na escala Richter -- a Tokyo Electric Power Co. (Tepco), proprietária da usina, disse que operários em Fukushima estão transferindo os geradores diesel de emergência e o painel das chaves de controle das bombas para um piso mais elevado, a mais de 20 m acima do nível do mar. A companhia está cogitando também de instalar um segundo sistema, utilizando tanques de armazenamento temporários, para bombear água nos reatores.

A Tepco disse que foi instruída pelo governo a iniciar o pagamento inicial de compensação para os residentes que foram evacuados num raio de 20 km à volta da usina -- nesse processo, ela pagará o equivalente a 12 mil dólares por residência afetada. Leia mais.

Vejam aqui e aqui outras notícias sobre a usina de Fukushima Daiichi.
 Foto liberada pela Tepco mostra a usina de Fukushima Daiichi inundada pelo tsunami de 11 de março.

Anticoncepcionais com drospirenona aumentam risco de trombose, afirma estudo

Um alerta para as mulheres. Cientistas neozelandeses e americanos vincularam os efeitos de alguns tipos de pílulas anticoncepcionais com um maior risco a desenvolver trombose venosa, de acordo com um estudo divulgado nesta sexta-feira pela imprensa neozelandesa.

A pesquisa demonstrou que as mulheres britânicas que ingeriam anticoncepcionais com uma combinação do hormônio drospirenona apresentaram quase três vezes mais o risco de desenvolver a doença que aquelas que consomem pílulas com levonorgestrel. O estudo realizado pela Universidade de Otago, na Nova Zelândia, e pela Universidade de Boston, nos Estados Unidos, também aponta que a cada ano 14 mulheres de cada 100 mil consumidoras dos anticoncepcionais orais com drospirenona sofrem de trombose venosa. "Esta situação pode ser evitada com a ingestão de pílulas com levonorgestrel", afirmou uma das coautoras do estudo, Lianne Parkin, da Universidade de Otago, em declarações publicadas pelo canal de televisão neozelandês "TV3".

A pesquisa se baseou na análise dos casos de 318.825 mulheres entre 15 e 44 anos que utilizaram pílulas com drospirenona e com levonorgestrel entre 2002 e 2009. Os resultados obtidos seguem a mesma linha de estudos realizados pela Clínica Ginecológica de Rigshospitalet, em Copenhague, e pelo Centro Médico da Universidade de Leiden (Holanda), publicados há quase dois anos.(Fonte: aqui).

Globo censura "Os Simpsons"

A Globo cortou cenas de alcoolismo, trote telefônico e um beijo gay entre Homer e Moe, no episódio "Todo Mundo Morre Um Dia" de "Os Simpsons" exibido na manhã de sexta-feira passada. A sequência teve mais de um minuto e era importante para a conclusão do capítulo. A emissora afirma que não mostrou as imagens do desenho devido à classificação indicativa do horário, que é livre. (Ver aqui).

Apoio inteiramente a atitude da Globo, e confesso que me surpreende que ela tenha tido esse cuidado -- nem tudo está perdido, pois.

"Apagão" no serviço de computação em nuvem da Amazon tem efeito dominó

Um raro e expressivo apagão nos serviços de computação em nuvem da Amazon ontem jogou por terra vários outros sites online, como Reddit, Hootsuite, Foursquare e Quora. As falhas começaram ontem pouco antes da 5 da manhã, e continuaram ocorrendo por mais de 12horas depois.

A Amazon hospeda vários sites de porte em seus servidores, através de um serviço denominado EC2. O modelo "elástico" de infraestrutura usado é projetado de modo a acomodar-se automaticamente para lidar com gigantescos picos de tráfego, como os que a Amazon sofre anualmente em seu comércio virtual em dezembro.

Milhares de pessoas pegam carona na nuvem da Amazon, alugando espaço em seus servidores. Algumas delas saíram do ar no rastro da falha da Amazon. "Confiabilidade é provavelmente o problema n° 1 da computação em nuvem", disse Jason Glassberg, cofundador da empresa de segurança Casaba LLC -- "a Amazon vem trabalhando duro há tempo, para convencer a todos de que seu serviço é robusto; essa falha não a ajudou", acrescentou ele. Leia mais.

Justiça ameaça mandato de 38% dos governadores

Se a história não acabar em pizza, poderá ser uma limpeza em regra. Cerca de 38% dos governadores eleitos em outubro passado correm o risco de perder os mandatos no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) -- terão de se defender de acusações feitas por adversários políticos e pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) de, entre outros crimes, compra de votos, abuso de poder político e econômico, e uso ilegal dos meios de comunicação. Por enquanto, somente três dos dez processos que chegaram à corte têm o trâmite mais adiantado -- mesmo assim, a expectativa de que cheguem ao plenário fica para o fim do ano.

Dos dez recursos apresentados até agora, oito  foram de iniciativa de adversários políticos dos eleitos e apenas dois se originam do Ministério Público Eleitoral (MPE).

No início de março seis governadores já enfrentavam recurso contra a expedição de diploma (RCED) no TSE: Tião Viana (PT), do Acre; Omar Aziz (PMN), do Amazonas; Antonio Anastasia (PSDB), de Minas Gerais; Wilson Martins (PSB), do Piauí; Rosalba Ciarlini (DEM), do Rio Grande do Norte, e Siqueira Campos (PSDB), do Tocantins. Além deles, o governador de Roraima, José de Anchieta Junior (PSDB),  já havia perdido o mandato por decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) local, mas o TSE examinará o recurso que foi impetrado. Além dos citados, somaram-se em seguida recursos apresentados contra a governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), e os governadores de Alagoas, Teotônio Vilela (PSDB), e do Ceará, Cid Gomes (PSB). Com todos esses casos, a eleição passada supera os processos apresentados no pleito anterior. Leia mais.

Mesmo correndo o risco de se ficar frustrado e decepcionado caso pouco ou nada de efetivo resulte desses processos, é bastante animador ver a instalação desses processos de desinfecção política, sem dúvida um avanço na nossa história política a exemplo do que de semelhante se fez no ano passado.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Políticos alemães estão nervosos com os caçadores de plágios que vasculham a Internet

Tudo começou com o Ministro da Defesa alemão. Depois da queda de Karl-Theodore zu Guttenberg (ver postagem anterior), muitos dos que descobriram que sua tese havia sido plagiada voltaram-se agora para novos alvos -- eles preferem ficar anônimos, mas sua página "Wiki" tem se mostrado altamente eficiente.

Depois do inferno astral de Karl-Theodore -- que duas semanas depois de acusado de plagiário por um professor de direito da Universidade de Bremen renunciou ao cargo, perdeu seu título de Ph.D. e se retirou definitivamente da vida pública -- os caçadores de plágios estão em plena atividade. Dez a vinte deles passaram as duas últimas semanas lendo cuidadosamente a tese de doutorado de Silvana Koch-Mehrin, membro senior do partido dos Democratas Livres que participa da coalizão de apoio de Angela Merkel em Berlim. Antes disso, eles encontraram inúmeros trechos da dissertação de Veronica Sass -- a advogada que é filha do ex-governador da Bavária Edmund Stolber -- que aparentemente (ou visivelmente, dependendendo do contexto do relatório desses "caçadores", que não está acessível) foram copiados.

Esse grupo de "caçadores", que se autodenomina VroniPlag, uma referência ao apelido de Veronica, está constantemente buscando colocar sob sua lupa textos acadêmicos suspeitos. O projeto é um subproduto de um projeto semelhante, chamado GuttenPlag, que derrubou Guttenberg. "O objetivo é manter a integridade dos títulos de doutorado na Alemanha", diz uma nota do site do VroniPlag. "O trabalho aqui realizado não tem motivação política, nem se destina a difamar alguém ou coisa parecida", acrescenta a nota. A maioria dos que investigam as dissertações de alemães proeminentes querem ficar anônimos, membros do grupo muitas vezes conhecem seus colegas apenas pelos nomes que adotam nos bate-papos (chat names) -- mas eles querem publicidade também.

Os "investigadores" querem ser diferentes. Contactaram a Universidade de Heidelberg, que concedeu o doutorado a Silvana em 2000, e mantêm contato com o escritório do reitor quando encontram trechos suspeitos na tese. Um porta-voz da universidade enfatizou que a tese de Silvana está sob exame da instituição, independentemente do trabalho do VroniPlag, e haverá uma reunião interna sobre isso no final do mês e outra em maio, para determinar se solicitarão uma declaração de Silvana, que também é membro do Parlamento Europeu. Leia mais.

Novo bloco regional pode tornar-se alternativa ao Brasil na América do Sul

Começa a se configurar na América do Sul um novo bloco econômico, o MILA - Mercado Integrado Latino-Americano, que, segundo a prestigiosa revista The Economist, pode mostrar a investidores internacionais que o Brasil não é a única alternativa interessante na região. Formado por Chile, Colômbia e Peru, depois de dois anos de negociações, o MILA, com uma capitalização de mercado superior a 600 bilhões de dólares, poderá, se tudo correr bem, tornar-se instantaneamente a segunda maior bolsa da região depois da nossa Bovespa -- se tudo der certo, já no mês que vem os operadores dos mercados de ações de cada um daqueles três países poderão comprar e vender ações listadas nos outros dois.

O MILA (que a The Economist resolveu batizar com o nome horrível de PaCifiCa (ver figura abaixo e o artigo da revista), é o sinal mais perceptível de uma crescente aproximação entre três países sul-americanos de médio porte e crescimento em ascensão, com costas para o Pacífico, que agora almejam formar um mercado comum. As últimas duas décadas viram conversas intermináveis de integração na América Latina, mas com pouca ação efetiva para isso. Nos anos 90, o Brasil e a Argentina foram os principais mentores do Mercosul, um grupo de quatro países. O Pacto Andino (1969), de cinco países, tornou-se a Comunidade Andina (1996). Ambas essas iniciativas basearam-se em uma visão de comércio razoavelmente livre e em uma busca por uma expansão de mercados, mas uma década depois, em boa parte da região, chegaram ao poder governos esquerdistas com uma visão distinta sobre a integração regional.  O Brasil, na década de 60, deu por encerradas as conversações para a criação da ALALC - Associação Latino-Americana de Livre Comércio, que englobaria 34 países, e alternativamente apoiou a criação da UNASUL - União de Nações Sul-Americanas, cujo tratado de constituição foi assinado em 23/5/2008 em Brasília, como um fórum para cooperação política. Enquanto isso, a Venezuela de Hugo Chávez formou em 2004, com Cuba e outros países, a ALBA - Aliança Bolivariana para as Américas (nome adotado em 2009), um bloco anti-americanista em sua essência.

Os três países do MILA têm acordos de livre comércio com os outros -- o México, que está se juntando ao bloco por iniciativa do Chile, ainda não tem esse tipo de acordo com o Peru, mas ambos estão negociando para isso. Se bem sucedido, o MILA pode constituir-se em uma alternativa regional em substituição ao Brasil -- autoridades dos países que o formam dizem que nosso país está mais interessado em tornar-se um parceiro global do que em aprofundar sua integração sul-americana. O mercado de ações do MILA poderia atrair investidores interessados em uma alternativa para os mercados supercomprados brasileiros, mas no curto prazo isso poderia tornar-se um complicador para os formuladores de políticas que queiram evitar que suas moedas fiquem muito valorizadas.

Há obstáculos visíveis para uma formação bem sucedida do MILA, e um deles é a velha rixa entre Chile e Peru, sequela da guerra de 1879 a 1883 entre ambos que resultou na anexação, pelos chilenos, de áreas do território peruano. Leia mais.
Visão global dos blocos econômicos da América Latina (clique na figura, se quiserr aumentá-la). (The Economist)

Harmonizando comida e vinho na Páscoa

A correta harmonização entre vinho e comida nem sempre é simples, e via de regra é um desafio lúdico e extremamente prazeroso. Uma regra básica e fundamental nessa combinação vinho x comida é que um não deve matar o outro, o equilíbrio é a chave da história. Como estamos entrando na Páscoa, aproveito para trazer-lhes algumas boas dicas de Ricardo Farias, publicadas no Globo de hoje  para o casamento de vinhos com as comidas geralmente preferidas nessa época do ano.

Bacalhau -- Os portugueses dizem que "carne é carne, peixe é peixe, e bacalhau é bacalhau", o que já sinaliza uma dificuldade na harmonização dele com um bom vinho. Para um prato de bacalhau mais estruturado, com batatas, muitos temperos, e diversos ingredientes o vinho recomendado é um tinto jovem leve, sem taninos, cuja estrutura enfrentará bem a untuosidade típica do prato -- alguns vinhos do Douro e do Alentejo cumprem bem esse papel. O Ricardo Farias enfatiza que o bacalhau deve estar bem dessalgado, porque o choque do sal com o tanino que tiver o vinho metaliza o gosto. O cuidado a meu ver é atentar para o fato de que, se muito dessalgado, o bacalhau pode não agradar tanto. -- Já o bacalhau simples, com batatas cozidas e muito azeite, cai muito bem com um Chardonnay bem estruturado, como um Chablis (que é, caracteristicamente, um vinho bem seco) ou, por questões de preço, com um Chardonnay barricado do Novo Mundo.

Cordeiro -- Ricardo Farias aponta para uma harmonização clássica: cordeiro com um Bordeaux da margem esquerda do Gironde, que produz vinhos majoritariamente feitos com a Cabernet Sauvignon, uma uva que dá  potência, boa tanicidade e boa alcoolicidade ao vinho. Aqui, novamente, a regra do equilíbrio: o cordeiro é uma carne um pouco forte, untuosa e normalmente elaborada com muitos condimentos, o que recomenda um vinho com boa estrutura, bons taninos e acidez presente. Para melhorar o lado do preço, pode-se trocar o Bordeax por um Cabernet Sauvignon do Novo Mundo -- neste caso, o Ricardo Farias recomenda um chileno.

Chocolate -- Uma presença constante nas refeições da Páscoa, e cada vez mais presente nas refeições ao longo do ano. Nas sobremesas, a regra do equilíbrio vinho x comida é flexibilizada, recomenda-se que o vinho seja mais doce que elas,  caso contrário ele "desaparece". O chocolate é um desafio clássico para harmonização, porque em geral é muito doce (embora tenhamos também chocolate amargo), tem sabor intenso e impregna de gordura as papilas gustativas.  Para um prato de chocolate puro a solução clássica é usar um vinho potente e com boa doçura e alcoolicidade, como o Banyuls, do Roussillon -- o Ricardo Farias sugere ainda um Pedro Jimenez, um vinho doce da região de Jerez. Se o chocolate não predominar na sobremesa, e vier com outros ingredientes, pode-se acompanhá-lo com um Madeira, um Porto Twany ou um Late Harvest.
O bacalhau a lagareiro do Adegão Português (Rio de Janeiro).

O Fluminense honra o futebol brasileiro e manda mais um time argentino p'ras cucuias

Sou um vascaíno que, como qualquer ser normal, gosta de um bom futebol, principalmente quando jogado com raça, coisa que o Fluminense tem feito muito bem ultimamente. Quando então, além do bom futebol, o derrotado é um time argentino o prazer é orgásmico, parafraseando o imortal tricolor Nelson Rodrigues.

A classificação agorinha do Flu, enfiando quatro gols pela goela adentro do Argentinos Jrs. dentro daquela merreca de estádio que é o campo deles, foi de encher de orgulho qualquer brasileiro que se preza, independente p'ra que time torça.

Assisistir jogo de time argentino na Argentina (pela TV, lógico, ver no local é programa de índio) é para mim uma viagem no tempo. Quando vejo aqueles caras cabeludos, anacrônicos, num campo cheio de papel higiênico (Freud explica), fico imaginando a riqueza disso para antropólogos, arqueólogos, paleontólogos, sociólogos, e outros "ólogos" da vida que vivem buscando vestígios do comportamento do homem das cavernas e à cata do elo perdido. Vivo de olho nas notícias científicas, aguardando o dia em que cientistas descobrirão pelo menos uma caverna repleta de pinturas rupestres representando um jogo de futebol em que inevitavelmente um dos times usará as cores azul e branco -- a bola não poderá ser a cabeça de um deles, porque não rolará com a cabeleira que usam (a menos que seja bem escalpelada).

Passado o trauma do visual dos jogadores e da decoração de acessório de vaso sanitário (tem que ser papel higiênico de segunda, porque o Neve, por exemplo, é "leve como uma pétala" e ficaria esvoaçante no campo), resta sempre a expectativa de uma batalha campal se a turma da casa perder, principalmente se for p'ra brasileiro (Freud também explica). Hoje não deu outra, baixou outra vez o espírito do homem de Neandertal nos cucarachos portenhos, e os caras partiram para a ignorância que bem os caracteriza e distingue. Não livraram nem a cara do patrício Conca.

Fica facílimo entender como e porquê a Argentina é a pátria dos psicanalistas. Volta e meia tenho pesadelos em que sou um médico na Argentina, trabalhando no setor de pronto socorro e emergência, e me vejo atendendo jogadores de futebol da terra que ali chegam aos borbotões, cheios de equimoses provocadas por cabos de vassoura e rolos de fazer pastel, ou queimaduras provocadas por ferro de passar roupa -- invariavelmente, não sei porquê, vejo  Freud na cena com um leve sorriso e murmurando "Eureka"!

Parabéns à nação tricolor!!

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Vaticano, a fábrica de fazer santos e acobertar abusos

No próximo dia 1 de maio o Papa João Paulo II será beatificado, último estágio antes de tornar-se santo -- com isso ele se tornará o recordista de processo de beatificação na Igreja Católica, batendo a Madre Teresa de Calcutá em 15 dias. Como ele morreu em 02/4/2005, mal se passaram seis anos para que chegasse à beatificação, algo inimaginável antes de seu papado.

A Igreja Católica decidiu ser supersônica em coisas supérfluas e de marketing, e manter-se paquidérmica em assuntos que considera "pétreos", não importa seu grau de anacronismo. Assim, mantém o celibato dos religiosos e dá cobertura a seus membros que cometem abusos diversos, inclusive os de pedofilia, mas decidiu entupir-se de santos. Para não ser tachado de injusto, reconheço que algumas aberrações foram corrigidas ou minimizadas: sou do tempo em que era o sacrilégio dos sacrilégios sequer tocar na hóstia (mordê-la, nem pensar), porque representava o corpo de Cristo -- hoje pega-se nela com as próprias mãos, pode-se partí-la e dividí-la em tantos pedaços quantos se quiser. Não tenho a menor ideia da explicação transcedental ou não que a Igreja inventou para justificar uma mudança tão radical, mas espero que tenha mais conteúdo do que a história da maçã.

Essa aceleração no processo de canonização deu-se exatamente no papado de João Paulo II, que fez mais beatificações (1.338) e mais canonizações (482) em seus quase 27 anos no cargo do que todos os papas anteriores a ele, em conjunto -- se atentarmos para o fato de que a tradição católica reconhece a existência de 263 papas ao longo de cerca de 2.000 anos, temos o tamanho da façanha de João Paulo II. Por isso, há zombadores que dizem que ele dirigiu uma verdadeira "fábrica de fazer santos".

O problema com João Paulo II é que ele tem uma ficha deplorável com relação à tolerância e ao acobertamento criminosos de pedófilos desmascarados e confirmados até na alta hierarquia da Igreja. Em postagem de 05/4/10 relato o caso escabroso de seu amigo pessoal, o cardeal austríaco Hans Hermann Groer, que abusou sexualmente de mais de 2.000 jovens durante décadas e jamais foi punido pelo Vaticano. Um artigo da revista Newsweek que está nas bancas, do qual tirei dados e informações usados nesta postagem, conta também o escandaloso caso do padre mexicano Marcial Maciel Degollado, protegido de João Paulo II, que fundou a conservadora e controversa Ordem dos Legionários de Cristo e depois foi desmascarado e denunciado por abusar sexualmente de vários de seus membros. A denúncia contra ele foi parar na mesa do então cardeal Joseph Ratzinger, hoje Papa Bento XVI, e ali ficou engavetada até 2001 e só se fez algo contra ele depois da morte de João Paulo II -- em maio de 2006, Bento XVI ordenou que Maciel se retirasse para uma vida de "oração e penitência".  É assim que a Igreja pune seus criminosos sexuais, e ainda decide canonizar quem os acoberta, como João Paulo II.
O Papa João Paulo II, em 1978. (Elliott Erwitt/Magnum)

Uma falha de um controlador de voo nos EUA envolve o avião em que estava Michelle Obama

Parece mesmo que a maré não anda nada boa para os controladores de voo americanos... Desta vez a quase-vítima de um desastre sério foi nada menos que a primeira-dama Michelle Obama -- seu avião oficial teve que abortar uma aterrissagem na base de Andrews na segunda-feira, porque chegou perigosamente perto de um jato cargueiro militar de 200 ton em consequência de um erro de um controlador de voo, de acordo com funcionários federais familiarizados com o incidente. Falando sob anonimato, por não estarem autorizados a se pronunciar, eles disseram que na última hora os controladores ficaram com receio de que o cargueiro não liberasse a pista a tempo.

Michelle estava retornando de uma aparição em um programa de TV e de outros eventos com Jill Biden, esposa do vice-presidente americano, a bordo de um Boeing 737 que faz parte da frota presidencial de jatos. Os controladores da torre de Andrews perceberam que o cargueiro C-17 e o Boeing estavam muito próximos um do outro quando o controlador de Warrenton lhes passou a responsabilidade pelos dois aviões -- que estavam a  3,08 milhas um do outro, quando a distância mínima exigida em relação a um C-17 com carga plena é de 5 milhas, por causa da turbulência que ele causa.

A Agência Federal de Aviação, que já está às voltas com uma série de problemas envolvendo controladores dormindo ou vendo um filme durante o trabalho, mandou na terça-feira um grupo de investigadores para o centro de controle por radar de Warrenton, onde ocorreu o erro. Leia mais.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Os 50 anos da histórica viagem de Yuri Gagárin ao espaço

O dia 12 deste mês de abril marcou os 50 anos da histórica viagem de Yuri Alexeievitch Gagárin ao espaço, mas me parece que o mundo deu muito pouca repercussão a essa data, o que acho lamentável. Em 12/4/1961 o cosmonauta russo foi o primeiro ser humano a dar, no espaço, uma volta em torno da Terra em 1h48min, um feito incrível. Major da Força aérea russa, Gagárin teve em sua baixa estatura um fator preponderante para sua participação nessa missão histórica, já que a nave Vostok era uma esfera de apenas 2,3 m de diâmetro (leia mais).

Essa viagem de Gagárin marcou mais uma vitória soviética contra os EUA na corrida pela conquista do espaço, corrida essa iniciada em 4/10/1957 com o lançamento do satélite Sputnik 1, seguido poucas semanas mais tarde com o envio da cadela Laica ao espaço -- os EUA reagiram em 1958 com o envio da sonda Explorer 1 e a criação da NASA. Três semanas depois do feito histórico de Gagárin, os EUA enviaram seu primeiro homem ao espaço, o astronauta Alan Shepard, só que em um voo balístico com a duração de apenas 15 min. Em maio de 1961, o então presidente JohnKennedy prometeu que até o final da década um norte-americano pisaria na Lua. O passo seguinte, em 20/2/1962, foi o envio de John Glenn ao espaço, com três voltas em torno da Terra.

Os soviéticos continuaram impressionando o mundo com uma série de recordes: - em 1963, Valentina Tereshkova foi a primeira mulher em órbita no espaço; - dois anos depois, o cosmonauta Alexei Leonov foi o primeiro a flutuar fora de sua cápsula, por dez minutos; - e, no ano seguinte, o Luna 9 pousou na Lua.

Por uma triste ironia do destino, Gagárin morreu em um voo de treinamento em 27/3/1968.

Em 1969, o norte-americano Neil Armstrong seria o primeiro ser humano a pisar na Lua, cumprindo a promessa de John Kennedy em maio de 1961. Leia mais.
O cosmonauta russo Yuri Gagárin.
A nave soviética Vostok, que levou Gagárin ao espaço.
Detalhes do módulo de serviço da Vostok.
O cosmonauta Yuri Gagárin em 1961 na cápsula Vostok.

Corrupção na concessão de brevês de pilotos na Índia

Uma piloto indiana tornou-se notícia em janeiro quando aterrisou um avião de passageiros A320 usando a roda dianteira. As investigações do incidente revelaram fatos alarmantes: Parminder Kaur Gulati não apenas já havia cometido aquele perigoso erro antes, mas havia obtido de maneira fraudulenta sua licença de piloto. E o pior é que não está sozinha nessa história.

Uma investigação determinada pelo governo revelou uma rede nacional de escolas de pilotagem, funcionários de aviação e outros, forjando rotineiramente relatórios de graduação, diários de bordo/navegação falsos e aceitando propinas. A revelação de que algumas pessoas desqualificadas ocupavam cabines de pilotos é apenas mais um de uma série de escândalos que têm sacudido a Índia nos últimos seis meses, mas é potencialmente um dos mais sérios por colocar em risco as vidas de milhares de pessoas.

Apesar da descoberta, E. K. Bharat Brushan, diretor-geral de aviação civil do país, diz que não classificaria como inseguros os céus da Índia. "Esses são apenas um punhado entre 8.000 pilotos certificados", diz ele. Ainda assim, 29 pilotos (incluindo Gulati) já perderam seus brevês e 14 pessoas foram presas no rastro do incidente de janeiro, enquanto as autoridades passam um pente fino nos arquivos dos últimos cinco anos, examinando a graduação de mais de 1.700 pilotos e fazendo auditoria em 40 escolas de aviação. Leia mais.
A piloto Parminder Kaur Gulati, presa pela polícia de Nova Delhi sob acusação de fraude, é levada à corte em Nova Delhi. (Subhash Barolla/The Mid-Day India)