quinta-feira, 31 de março de 2011

João Montanaro, um cartunista de 14 anos

Parece brincadeira, mas um garoto de 14 anos virou cartunista da Folha de S. Paulo e mereceu um longo artigo no prestigiado The Washington Post. Sob o título "Teenage cartoonist lampoons Brazil's elite" (Cartunista Adolescente satiriza a elite do Brasil), o jornal americano traça a trajetória desse garoto que já aos 14 anos tornou-se cartunista editorial de um jornal do porte e do prestígio da Folha.

Como praticamente todo garoto brasileiro, João Montanaro gosta de futebol e video games. Para a surpresa de muita gente, assinando-se apenas como João M., ele se tornou o mais novo (e mais jovem) membro do grupo de cartunistas irreverentes daquele jornal e passou a assinar os cartuns que aparecem na página de editorial do jornal aos sábados. Mas já aos 12 anos ele fazia ilustrações para o encarte Folhinha do jornal, dedicado aos jovens. Embora seja um admirador de Charles Schulz, criador de Peanuts, e do ilustrador comercial Jim Flora, ele diz que o que realmente o inspira é o trabalho de cartunistas políticos brasileiros, particularmente o de Arnaldo Angelli Filho. Ele é adepto da máxima de Leon Eliachar, que diz que "Humorismo é a arte de fazer cócegas no raciocínio dos outros" Leia mais.
Este cartun de João M., abordando o tsunami que devastou o Japão, foi muito criticado ("eles não o entenderam", diz o autor), se baseou no famoso desenho abaixo:
The Great Wave of Kanagawa, de Katshushika Hokusai.
João Montanaro

José Alencar, o político e o homem

Toda vez que morre um político de projeção o país todo passa por um período de amnésia seletiva, em que só afloram as qualidades desse cidadão -- com José Alencar, nosso ex-vice-presidente não está sendo diferente. Inegável e indiscutivelmente ele foi um incrível guerreiro em sua longa luta contra o câncer, um exemplo notável de resistência e perseverança, e no exercício do cargo foi um raro exemplo de independência e coerência com seus princípios e pensamentos, nem sempre coincidentes com os de Lula, Nosso Pinóquio Acrobata. Além disso, era uma pessoa extremamente simpática e afável com aquele seu jeitão bem mineiro de ser.

Tudo bem, mas não se pode analisar pela metade o perfil e o histórico de uma figura pública, não se pode omitir seu comportamento e seu exemplo como cidadão comum. Neste particular, José Alencar levou para o túmulo uma dúvida que permanece como péssima demonstração de honradez e ética, e uma mancha até agora irremovível na presunção de sua inocência, que é a questão aberta de sua paternidade ou não da professora aposentada Rosemary de Morais, de 56 anos. José Alencar não só se recusou a fazer o teste de DNA para dirimir essa alegação, como referiu-se à Sra. Rosemary de maneira extremamente grosseira, desqualificada e mesquinha. Disse ele: "Se fosse assim, todo mundo que foi à zona um dia pode ser (pai). Não é possível. São milhões de pessoas que foram à zona, só que grande parte desses casos não tenham sido (sic) objeto de interesse, nem político, nem econômico. Agora, pelo fato de eu ter sido vou me submeter aum DNA, que também não é 100%?" Ver postagem anterior sobre isso.

Sua cremação, a seu pedido (a família chegou a cogitar de não atender a seu último pedido), só faz reforçar as suspeitas de que algo estranho havia -- agora não há como colher qualquer material para exame de DNA para o processo de reconhecimento ou não de paternidade que ainda paira sobre ele. A Lei n° 12.004, de 29 de julho de 2009, estabelece no Parágrafo Único do Art. 2°-A acrescentado à Lei n° 8.560, de 29 de dezembro de 1992, que "A recusa do réu em se submeter ao exame de código genético - DNA gerará a presunção de paternidade, a ser apreciada em conjunto com o contexto probatório". Para variar, temos mais uma lei dúbia -- que "contexto probatório" se pode obter no caso de um réu cujo corpo foi cremado? -- Dizem as más línguas que o texto original dessa lei submetido a Lula, Nosso Pinóquio Acrobata, era mais incisivo e incriminador, tendo sido suavizado para poupar José Alencar -- isto evidentemente fica no campo da pura especulação, mas não se pode negar que soa bem provável e possível.


Sei que que muita gente abominará os comentários acima, também pelo momento em que foram feitos, mas não acredito em hipótese alguma que se possa construir uma cidadania digna com esse tipo de comportamento complacente, não importam quais sejam as outras qualidades de quem se foi.

Brasil precisa ser menos samba, carnaval e futebol no turismo

No título acima está faltando a capoeira ... É sempre a mesma coisa, qualquer filmezinho promocional do Brasil está coalhado de cenas de sambistas, desfile da Sapucaí, Maracanã lotado, Pelé, jogos de capoeira e outras mesmices. Quando vem um Obama da vida, ou outro figurão, imaginem o que mostram p'ra ele e a mulher ...


Em artigo do Globo o presidente da Embratur, Mário Augusto Moysés, faz um desabafo mais do que realista e oportuno -- "Para aparecer e se tornar mais forte no mercado internacional o Brasil precisa ser menos samba, carnaval e futebol. Nós ainda temos uma imagem pequena em relação ao turista estrangeiro. Pensa-se sempre em carnaval e futebol, o que acaba fazendo uma sombra sobre outras coisas importantes que temos a oferecer. ... Temos que vender a praia e o sol, mas junto com a nossa cultura, a nossa gastronomia, a nossa história. O Brasil precisa ser diferente para se tornar um destino desejado em todo o mundo. ", diz ele.

Os números por ele apresentados sobre o turismo receptivo no Brasil são irrisórios para a nossa realidade e a nossa potencialidade. Recebemos 5,1 milhões de turistas de outros países no ano passado, que aqui deixaram US$ 5,9 bilhões em divisas -- bem menor que o Brasil, a Argentina recebeu mais turistas em 2010, 5,3 milhões (dos quais 1,2 milhões de brasileiros ...), segundo o Instituto Nacional de Promoção Turística desse país.

A manifestação do presidente da Embratur ocorreu durante sua participação em um painel sobre promoção de destinos, no Fórum Panrotas que se realiza em S. Paulo até terça-feira. Participantes do evento, os americanos Garry Sain, do Visit Orlando, e George Fertitta, do órgão de promoção turítica de Nova Iorque, concordaram com o executivo da Embratur. "O Brasil, definitivamente, é vitimizado pelo sucesso do carnaval, que cria uma sombra sobre o resto. Esse é o desafio, vender outra imagem para fora, porque o carnaval não precisa ser vendido", afirmou Fertitta.

Presente ao evento, o ministro do Turismo Pedro Novais informou que em 2010 o faturamento das 80 maiores empresas da área turística do país foi de 43 bilhões de reais, e a expectativa para 2011 é de que esse faturamento cresça 16,5%. Leia mais.

O turismo tem um efeito multiplicador fantástico, mas o Brasil ainda não despertou para isso, mesmo levando em conta que temos contra nós as distâncias até aqui e os altos preços das passagens para o Brasil, sem falar de outros problemas que nós mesmos criamos -- como a insegurança, a sujeira, a falta de orientação e guias confiáveis, e por aí vai. Para termos uma ideia do longo caminho que temos pela frente, a Espanha (com 45 milhões de habitantes, dado de 2009) recebeu 53 milhões de turistas em 2010, dos quais 240 mil brasileiros (ver aqui). A França (65,4 milhões de habitantes, janeiro de 2010) manteve-se como principal destino turístico do mundo, tendo recebido em 2010 cerca de 59,5 milhões de turistas, dos quais 450 mil eram brasileiros (ver aqui)!

quarta-feira, 30 de março de 2011

Virginia Tech (EUA) é multada em 55 mil dólares por matança em seu campus

A Universidade Estadual e Instituto Politécnico da Virgínia -- abreviadamente Virginia Tech -- é uma instituição acadêmica de prestígio nos EUA, com mais de 30 mil estudantes. Em 16 de abril de 2007 o estudante Seung Hui Cho matou a tiros 32 pessoas em seu campus, e depois suicidou-se. Por causa disso, a universidade foi multada em 55 mil dólares pelo Departamento de Educação do governo federal por violação de uma lei de segurança em campus, que determina o imediato aviso a toda a comunidade de qualquer ameaça à sua segurança.

Essa condenação foi um sério revés para a Virginia Tech, que por quase quatro anos buscou curar as feridas resultantes do mais letal massacre escolar da história dos EUA. Ela também dá suporte ao ponto de vista de parentes de algumas vítimas de que a universidade foi negligente em esforços para proteger a comunidade do campus.

O advogado de duas famílias de vítimas do tiroteio diz que a universidade falhou em não dar à comunidade do campus informação crucial sobre as primeiras duas vítimas na manhã da tragédia. Mary E. Gust, funcionária do setor de Ajuda Federal ao Estudante do Departamento de Educação diz, em carta ao presidente da Virginia Tech, Charles W. Steger, que oficiais da polícia chegaram ao campus cerca das 07h24 e que Steger estava ciente do ocorrido às 08h11 -- no entanto, a universidade esperou até às 09h26 para enviar a todo o campus um email de alerta sobre o atentado a tiros. Mas esse alerta, segundo Gust, não mencionava que havia ocorrido mortes no campus e não orientava a comunidade sobre qualquer medida de segurança a ser tomada. Leia mais
Omar Samaha toca a lápide do túmulo de sua irmã em um memorial de 2008 dedicado às vítimas do atentado a tiros na Virginia Tech. (Foto: Katherine Frey -- The Washington Post)

terça-feira, 29 de março de 2011

O Prefeito e o restaurante: historinha do Rio

Carta publicada ontem, 28/3/11, na seção Dos Leitores do Globo:

Ridícula, para dizer o mínimo, a decisão do prefeito Eduardo Paes de tombar o imóvel onde funciona o restaurante Antiquarius. No mais puro e míope provincianismo demagógico, ele, de fato, tombou o restaurante e não o imóvel. Para manter um estabelecimento de elite, privilégio de poucos, ele agride o direito de propriedade e perpetua uma aberração. É fácil imaginar que passará a ser convidado de honra da casa, com direito a refeições a custo zero.
                                VASCO SOARES DA COSTA
                                                        Niterói, RJ

Ver postagem anterior sobre este assunto.

domingo, 27 de março de 2011

Argentina negocia com o Irã nos bastidores para "esquecer" atentados contra judeus em Buenos Aires

O jornal argentino Perfil publicou ontem grave denúncia, segundo a qual o governo de Cristina Kirchner teria feito um acordo secreto com o Irã para, em troca da melhoria das relações comerciais entre os dois países,  não apurar mais os atentados realizados em Buenos Aires em 1992 e 1994, contra a embaixada de Israel e o Centro Comunitário Judeu respectivamente, ambos atribuídos ao Irã. Esse acerto consta de documento até agora secreto, entregue pelo chanceler iraniano Ali Akbar Salehi ao presidente Mahmoud Ahmadinejad, redigido logo após o encontro que o chanceler argentino Héctor Timerman teve com sua contraparte síria Walid al-Mohalem e com o próprio presidente sírio Bashar al-Assad, em 23 e 24 de janeiro deste ano na cidade síria de Alepo.

Timerman se separou da delegação argentina ao Kuwait, Qatar e Turquia, chefiada por Cristina Kirchner, para conversar com o ditador sírio em uma cidade convenientemente localizada a 400 km da capital Damasco. Ali, ambos conversaram sobre o processo de paz no Oriente Médio "paralizado por causa das políticas israelenses e pelo fracasso do governo americano em pressionar Israel para que respeite a legalidade internacional". Esse encontro foi secreto. Apesar de judeu, Timerman não deu ciência dessa conversa à comunidace judia argentina. O Irã mantém há anos uma influência dominante e ostensiva, política e militar sobre a Síria, e o encontro Timerman-Assad teria servido para a Argentina dar a luz verde para a reconciliação com os iranianos através dos sírios.

Um dos resultados práticos desse acordo secreto seria inocentar o ministro da Defesa iraniano Ahmad Vahdi, que chefiava a chamada Força Quds da Guarda Revolucionária por ocasião dos dois atentados em Buenos Aires, cuja prisão (assim como a de outras autoridades proeminentes do governo iraniano) havia sido pedida à Interpol pela Argentina.

Tudo isso mostra o jogo duplo da Argentina, manifestando de público simpatia e aproximação com os judeus, e nos bastidores acertando-se com o Irã. Criou-se uma situação delicada, pois Timerman está na véspera de visitar oficialmente Israel.

A comunidade judia argentina se declara surpresa e decepcionada com essas revelações. Luis Czyzewiski, da Associação de Familiares e Amigos das Vítimas dos atentados, disse que estava ciente das conversações que o chanceler havia mantido durante a viagem da presidente pelo Oriente Médio, mas desconhecia o encontro secreto com o presidente sírio. Em um café da manhã no Centro da Comunidade Judia, o mesmo Timerman enfatizou que os atentados e a conexão iraniana haviam sido tema de todas as reuniões realizadas no Kuwait, Qatar e Turquia. Leia mais.

sábado, 26 de março de 2011

Por que a revista Veja escondeu por seis meses a entrevista com o governador José Roberto Arruda (DF)?

Vale a pena de vez em quando dar uma olhadinha no site Observatório da Imprensa (www.observatoriodaimprensa.com.br ) para conhecer bastidores da imprensa e de notícias que só ali se pode ver. Pode-se, por exemplo, tomar conhecimento de um estranho "engavetamento" pela revista Veja, por seis longos meses, de uma importante e cabeluda entrevista que fizera com o ex-governador José Roberto Arruda, do Distrito Federal (DF) -- feita em setembro de 2010, ela só foi publicada e explorada pela Veja em 17 de março de 2011!

Em artigo publicado no Observatório da Imprensa de 22 de março, o jornalista Washington Araújo levanta essa lebre e questiona coerentemente os motivos que teriam levado aquela revista a engavetar por seis meses uma entrevista explosiva como aquela. Nessa oportunidade o ex-governador Arruda monta uma metralhadora giratória e acerta antigos companheiros de partido -- como os senadores  Agripino Maia, Demóstenes Torres, Cristovam Buarque e Marco Maciel -- atingindo também os deputados ACM Neto, Rodrigo Maia e Ronaldo Caiado, sobrando bala ainda para o agora deputado Sérgio Guerra, presidente do PSDB.

Em seu artigo, Washington Araújo mostra-se justificadamente perplexo, "com todas as pulgas aninhadas à volta da orelha" como diz ele, com o timing da publicação da entrevista. Por que a Veja só em março de 2011 levou ao conhecimento de seus leitores uma bombástica entrevista feita em setembro de 2010, sobre um escândalo de corrupção que nesta época (set/2010) agitava o país e teve graves consequências políticas, levando inclusive à renúncia e à prisão de Arruda, sem contar os estragos feitos em outras biografias políticas?  Como é que uma revista que é carne de pescoço quando quer infernizar a vida de alguém esconde por seis meses uma entrevista de conteúdo tão bombástico e explosivo? Esta é certamente uma pergunta que ficará sem resposta, mas é lícito pensar que debaixo desse angu tem caroço ... Leia aqui.

Na mesma edição de 22 de março do Observatório, o jornalista Claudio Julio Tognolli  também aborda essa tão estranha atitude da Veja em um artigo com o ótimo e sugestivo título "Veja, a gaveta profunda".

Portugal é rebaixado pela segunda vez em termos de risco econômico-financeiro

A agência de avaliação financeira Standard & Poor's (S&P) rebaixou em dois pontos (de A- para BBB) a avaliação de Portugal em termos de crédito de longo prazo, alertando que a crise política do país aumentou o risco de que ele seja incapaz de refinanciar sua dívida -- isso equivale a colocar o crédito de Portugal perto da sucata, em jargão economês. O rebaixamento da S&P veio logo depois de uma idêntica decisão pela agência Fitch Ratings, que também rebaixou em dois pontos (de A+ para A-) o crédito do país por causa do aumento dos riscos financeiros, em decorrência da queda do governo socialista. Ambas as agências deixaram entrever que novo rebaixamento poderá ocorrer em futuro próximo.

As taxas de juros dos bônus de Portugal cresceram rapidamente na quinta-feira, no meio de temores de que o vazio político deixado pela renúncia de José Sócrates possa tornar problemático que o país possa honrar um total de 9,5 bilhões de euros de pagamento de sua dívida que vencem em abril e junho.

A S&P prevê que a economia portuguesa encolha 2% neste ano, o que exigirá que o próximo governo implemente "medidas adicionais de consolidação fiscal" para alcançar as metas de défice orçamentário do país. Por sua vez, os líderes europeus reunidos em Bruxelas na quinta-feira instaram os partidos políticos portugueses a adotar novas medidas de austeridade e novas reformas econômicas, para provar que estão comprometidos com essa consolidação fiscal. Leia mais e veja postagem anterior sobre a crise portuguesa.

Detroit, a Pompéia moderna?

No dia 9 deste mês fiz a postagem "As ruínas de Detroit", mostrando a decadência da outrora pujante "Cidade do Automóvel" americana. No dia 24 passado o jornal inglês The Independent publicou um artigo que dá cores ainda mais dramáticas ao impressionante declínio de Detroit. Os dados do censo de 2010 mostram que a população da cidade encolheu nada menos que 25% na última década, o que equivale a uma pessoa deixando a cidade a cada 20 minutos! Entre as principais cidades americanas apenas Nova Orleans mostrou uma decadência maior, devido porém quase que exclusivamente ao furacão Katrina em 2005.

Há pouco mais de meio século a cidade era a quinta maior do país, hoje mal se encaixa entre as 20 maiores cidades americanas. A situação da cidade confirma seus principais problemas: a crise da indústria automobilística e a perda de empregos e negócios vinculados a ela, e um inexorável declínio nos serviços escolares, policiais e outros. Vastas áreas da parte leste da cidade estão abandonadas, dando-lhe  a aparência de uma Pompéia moderna. No ano passado o prefeito da cidade emitiu um relatório, propondo que partes da cidade fossem revertidas para uso agrícola ou espaços livres -- disse um especialista que, se essa proposta vingar, "será a primeira desconstrução organizada e ordenada de uma grande cidade americana".  Fonte: aqui.
O declínio da indústria automobilística americana deixou abandonadas grandes áreas de Detroit. (Foto: Getty Images)

Indenização milionária de jesuítas a vítimas de pedofilia nos EUA: 166 milhões de dólares

Finalmente tem-se notícia de que, ainda que em parte e apenas financeiramente, a Igreja Católica começa a sentir o peso da Justiça pelos horrendos crimes de abusos sexuais praticados por seus padres, das mais diversas hierarquias. No entanto, o Vaticano até hoje não teve a dignidade, e muito menos a coerência religiosa, de punir exemplarmente esses criminosos com o rigor máximo à sua disposição no âmbito estrito dos cânones católicos. Assim como todos os seus antecessores, o Papa Bento XVI só tem produzido frases de efeito, nada de ação concreta contra esses criminosos.

A ordem religiosa dos jesuítas, a eminência parda da Igreja Católica com sede em Roma, concordou em pagar, nos EUA, 166 milhões de dólares a cerca de 500 vítimas de crimes sexuais e psicológicos. Essa indenização é considerada a terceira maior relacionada com escândalos de pedofilia paga pela Igreja Católica nos EUA. A maioria das vítimas são indígenas que vivem em reservas e povoados remotos do noroeste do país, para onde, segundo as acusações, eram destinados os padres mais problemáticos. Eis aqui outra faceta da atuação abominável da Igreja Católica: em vez de eliminar esses padres "problemáticos", preferia enviá-los para lugares remotos, como se a distância física e o nível sócio-cultural das populações por eles "atendidas" fossem suficientes para eliminar a necessidade de qualquer medida corretiva mais rigorosa.

 Os casos envolvem a demarcação de Oregon da ordem dos jesuítas. Seu âmbito territorial cobre os Estados de Oregon, Washington, Alasca, Idaho e Montana. Um dos advogados das vítimas disse em comunicado que alguns deles levaram 40 anos esperando por uma indenização. "Não há dinheiro que possa devolver uma infância perdida, uma cultura destroçada e uma fé desfeita em cacos", diz ele. Leia mais.

O exército de Israel cria uma unidade para espionar ONGs estrangeiras

O exército israelense criou uma unidade especializada em espionar ONGs estrangeiras, visando com isso, segundo fontes oficiais, neutralizar o que o governo considera "uma campanha para deslegitimizar Israel" por parte de numerosas ONGs de tendência esquerdista, principalmente europeias.

A palavra "deslegitimização" tem sido muito usada ultimamente por setores conservadores israelenses. Em princípio, o termo se refere àqueles que disciutem o direito à existência do "Estado Judeu", como Israel se auto-entitula. Mas, com frequência cada vez maior, o termo se aplica a críticas contra a ocupação da Cisjordânia e ao bloqueio de Gaza, que não questionam o Israel reconhecido pela ONU, com as fronteiras de 1967. Um porta-voz militar israelense explicou ao jornal Haaretz que "existe uma clara distinção entre a crítica legítima a Israel e os esforços de alguns para solapar seu direito de existir. A nova unidade do exército coletará informação sobre qualquer grupo estrangeiro que defenda a imposição de sanções a Israel, fomente campanhas de boicote ou que promova o julgamento de ocupantes de altos cargos civis e militares israelenses por crimes de guerra, porque tudo isso é considerado "deslegitimização".

O primeiro alvo dessa espionagem militar será a organização islâmica turca Fundação para a Ajuda Humanitária, que em maio de 2010 organizou a viagem de uma flotilha para romper o bloqueio de Gaza -- a interceptação dessa flotilha resultou na morte de nove ativistas turcos -- e está programando fazer a mesma coisa em maio próximo. Leia mais.

sexta-feira, 25 de março de 2011

Sexo (e jogging) podem provocar ataque cardíaco se não forem feitos regularmente ...

O sexo pode matá-lo se você não estiver em forma, concluiram pesquisadores de Massachussetts.

Realmente, surtos repentinos de moderada ou intensa atividade física como sexo ardente (ou mesmo jogging) por pessoas que não fazem exercícios de maneira regular aumentam fortemente a chance de que elas tenham um ataque cardíaco, anunciaram nesta terça-feira pesquisadores do Tufts Medical Center, de Boston, chefiados pelo Dr. Issa Dahabreh, cuja pesquisa foi divulgada na publicação da Associação Médica Americana em 23 de março passado.

A equipe analisou dados de 14 estudos que examinavam a ligação entre sexo e o risco de ataques cardíacos ou morte cardíaca súbita --um ritmo letal do coração que faz com que o órgão pare de bombear o sangue. Eles descobriram que, quando fazem exercícios, as pessoas são três vezes e meia mais propensas a ter um ataque cardíaco ou uma morte cardíaca súbita. Essas pessoas são 2,7 vezes mais propensas a ter um ataque cardíaco quando fazem sexo ou imediatamente depois, em comparação com os que não fazem. Jessica Paulus, uma pesquisadora que participou desse estudo e leciona em Harvard, disse que que não quer que as pessoas pensem que exercício, ou sexo, é ruim para sua saúde.

O estudo mostrou que, de fato, cada vez que uma pessoa tinha se exercitado uma vez numa semana ela baixava en 45% sua chance de ter um ataque cardíaco. Mas, quando uma atividade súbita é tentada por pessoas que normalmente são ociosas e sedentárias, então os problemas aparecem e algumas vezes eles são sérios. Leia mais.  Ver também aqui.

Dólar vai perdendo espaço como lastro na economia globalizada de hoje

Quando o mundo entra em desordem ou perturbação, os investidores têm geralmente uma saída automática: refugiar-se no dólar, uma espécie de porto seguro global. Mas isso não vem ocorrendo neste ano tumultuado. Mesmo com o Oriente Médio em conflito, o Japão em crise após uma série de desastres, e a Europa enfrentando uma crise de dívidas públicas, o dólar vem gradualmente perdendo valor frente a outras moedas importantes. Tendo se desvalorizado frente ao euro, à libra e ao iene em meses recentes, o dólar se depreciou 7% frente a uma cesta de outras moedas desde 7 de janeiro e 14% desde junho.

Essa queda do dólar de uns meses para cá foi acionada pela sensação de que o Federal Bank americano manterá baixa a taxa de juros por um tempo mais longo do que suas contrapartes no exterior, e por uma dissipação dos receios que levaram a moeda americana a ter valores fortemente elevados nas crises de 2008 e 2009. Mas o fato de que esse deslocamento de preferência tenha ocorrido mesmo em um mundo mais perigoso mostra que o dólar perdeu um pouco de seu brilho, sugerindo que pode chegar o dia em que o dólar deixará de ser o ancoradouro de investidores em tempos conturbados. Isto pode ter grandes consequências para a economia americana nos anos próximos.

No longo prazo, um dólar declinante acarreta riscos. A economia americana é turbinada por dinheiro barato vindo do exterior. O fato de que poupadores, de Pequim a Buenos Aires, olhem para os Estados Unidos -- e, portanto, para ativos em dólar -- como um lugar seguro para poupar é a principal razão para que as taxas de juros americanas estejam entre as mais baixas do mundo, apesar dos altos níveis da dívida pública.  Na medida em que o euro e outras moedas surjam como alternativas mais fortes que o dólar -- e os EUA mantenham a política de dinheiro fácil e altos déficits no orçamento do governo -- aumentarão as chances de que ocorra aquele deslocamento de preferência. Leia mais.

O Índice do Dólar mede o valor do dólar contra uma cesta ponderada de outras moedas: euro, libra inglesa, o iene japonês, o franco suiço, o dólar canadense, e a coroa sueca. O gráfico mostra os fechamentos diários desse índice, de 2 de janeiro de 2007 a 24 de março de 2011.

Imposto sobre compras no exterior mais que duplicará

O IOF - Imposto sobre Operações Financeiras, que incide sobre compras no exterior, mais que duplicará, passando de 2,38% para 6,38%, segundo texto de decreto presidencial fechado ontem à noite. Foi também concluído o texto da medida provisória (MP) que reajusta em apenas 4,5% a tabela de Imposto de Renda Retido na Fonte, conforme negociado com sindicalistas -- isso significa que, mais uma vez, seremos garfados pelo governo, com a incestuosa conivência dos sindicatos. Os documentos serão entregues hoje para análise e assinatura da presidente Dilma Rousseff.


Com a medida, o governo espera arrecadar cerca de R$ 1 bilhão neste ano. Assim, compensaria, em parte, o gasto extra estimado em R$ 1,6 bilhão com a correção da tabela do IR. A MP prevê, ainda, o aumento de outros impostos. As elevações são justificadas por técnicos do governo como uma necessidade de se cobrir a renúncia fiscal que a União terá com a correção da tabela do IR a partir de abril.

Além de garantir uma arrecadação extra, a elevação do IOF é parte das ações para tentar reduzir o consumo de brasileiros no exterior. O governo avalia que, assim, evitará a alta da inadimplência. O aumento de imposto também atende reivindicações de empresários preocupados com as compras de importados, que estariam afetando produtos locais.

As compras com cartão de crédito no exterior bateram recorde no ano passado, de US$ 10 bilhões, um aumento de 54% em relação a 2009. No último trimestre de 2010, os gastos de brasileiros em dólar com cartão ultrapassaram US$ 1 bilhão por mês.


  Registre-se que a arrecadação de tributos federais cresceu 9,84% em fevereiro em relação ao mesmo período do ano passado, já descontada a inflação do período. No mês passado, o total arrecadado chegou a R$ 64,14 bilhões, contra R$ 58,40 bilhões no ano passado. Em relação a janeiro, porém, houve queda real de 30,13%. Naquele mês, a arrecadação somou R$ 91,80 bilhões. Leia mais.

Apenas Alemanha, Espanha e França se comprometem a fechar as usinas nucleares que não forem aprovadas nos testes de segurança

Assustados com os problemas da usina nuclear de Fukushima Daiichi, do Japão, os Chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE) concordaram em realizar testes de segurança nas centrais nucleares europeias, e aplicar os mais altos padrões de segurança aos 143 reatores existentes na UE, distribuídos em 14 dos 27 países da União, mas apenas Alemanha, Espanha e França se comprometeram publicamente a fechar as usinas que não passem nesses testes. Não houve acordo quanto a tornar obrigatórios esses testes, nem que seja obrigatório e irrevogável o fechamento das usinas que não forem aprovadas nos mesmos -- faltou também fixar os critérios que serão seguidos nos testes, que deverão ser realizados num prazo máximo de seis meses. -- A Alemanha já ordenou a suspensão temporária da operação de 7 dos 17 reatores alemães, por causa de sua idade.

À luz da experiência de Fukushima Daiichi, os testes levarão em conta terremotos, inundações, procedimentos de resfriamento, regimes de suprimento elétrico, mecanismos de suprimento de emergência, e capacidade de resistência a crises criadas pelo homem -- eufemismo que cobre desde ataques aéreos a assaltos terroristas, e ciberataques. Governos, especialistas, União Europeia e terceiros elaborarão em futuro próximo os critérios para analisar esses fatores de risco, com o objetivo de "contar com uma lista comum de características para a segurança europeia", segundo o comissário de Energia da UE, Günther Öttinger.

A UE propôs associar a essa política preventiva de segurança os países nuclearizados vizinhos (Rússia, Suiça, Turquia e Ucrânia), exatamente no dia em que Ancara anunciou que no próximo ano começará a construir sua primeira central nuclear na costa mediterrânea, e que em 2023 o país deverá ter três centrais desse tipo. A Turquia é um país de alta sismicidade, no ano passado sofreu um terremoto de 6,0 na escala Richter. Leia mais.

Um em cada seis americanos é hispânico

Dados do censo americano liberados ontem mostram que a população de origem hispânica nos EUA ultrapassou a cifra de 50 milhões de pessoas e cresceu 43% na última década, fazendo com que hoje 1 em cada 6 americanos seja hispânico. Análise desses dados mostra que esse crescimento deveu-se mais a nascimentos dentro dos EUA do que à imigração, e que os hispânicos ganham cada vez mais poder político -- em 2050 deverão chegar a um terço da população americana.

Entre os adultos houve influência da imigração, mas a população infantil é crescentemente hispânica. Em 2010 os hispânicos representaram 23% da população abaixo de 18 anos, comparados com 17% em 2000. Na Califórnia 51% das crianças são hispânicas, contra 44% em 2000. Cerca de 75% dos hispânicos vivem em nove Estados, que historicamente têm de longa data população dessa origem: Arizona, Califórnia, Colorado, Flórida, Illinois, Novo México, Nova Jersey, Nova Iorque e Texas -- esse percentual era de 81% em 2000, o que mostra que essa população começa a dispersar-se para outras partes do país, particularmente para o sudeste. Leia mais.

Geradores de "spams" são procurados, depois de desmonte de "botnet"

A botnet Rustock, que enviava até 30 bilhões de mensagens spams por dia, pode ter sido administrada por duas ou três pessoas [obs.: a grosso modo, "botnet" é um grupo de agentes de software, ou robôs, que rodam autônoma e automaticamente -- atualmente, o termo está mais associado a software maligno ("malicious software")], concluiu uma análise inicial feita em seguida a ações para desmontar essa rede de spams.

A Rustock era formada por cerca de um milhão de PCs "sequestrados" e, durante anos, utilizou uma série de truques e artifícios para para escapar de investigações. Depois de seu desmonte, o volume de spams globais caiu e mantém-se relativamente baixo. Esse trabalho de desmonte foi executado por um grupo de empresas que incluía, entre outras, FireEye, Microsoft e Pfizer, e culminou em 16 de março com ataques simultâneos a centros de dados de sete cidades americanas, apoderando-se de 96 servidores que atuavam como sistema de comando e controle (C&C) para a Rustock. O custo de hospedagem de cada C&C era de cerca de 10 mil dólares por mês. Leia mais.

Decisão do Supremo não garante Ficha Limpa para 2012, afirma TSE

Mal foi derrubada para as eleições de 2010, a Lei da Ficha Limpa começa a sofrer sérias ameaças para sua aplicação em 2012. O alerta mais grave vem de um de seus principais defensores e responsável por sua aplicação em termos eleitorais, o ministro Ricardo Lewandowski, presidente do Tribunal Superior Eleitoral e ministro do STF.  "A constitucionalidade da lei referente aos seus vários artigos poderá vir a ser questionada futuramente, antes das eleições de 2012", diz ele. Nesse futuro exame, acrescenta Lewandowski, "a lei vai ser fatiada como um salame e será analisada alínea por alínea". O STF deverá se posicionar sobre a constitucionalidade da lei se alguma autoridade, partido político ou entidade de classe de âmbito nacional provocar formalmente o tribunal por meio de uma ação.

No Supremo, a lei deverá enfrentar resistência quando tiver a sua constitucionalidade questionada. Pelo menos quatro dos 11 ministros do STF já adiantaram que são contra alguns pontos da norma. O primeiro deles estabelece a possibilidade de um político ser excluído da disputa eleitoral por uma condenação ocorrida no passado."Se você puder apanhar fatos da vida passada para atribuir efeitos futuros, talvez não haja mais limites", comentou o ministro Gilmar Mendes, relator do processo que invalidou a aplicação da lei na eleição de 2010. "O importante é que o Supremo não vai chancelar aventuras", disse. Registre-se que, desde o início dos debates sobre a Lei da Ficha Limpa no STF, Gilmar foi de seus mais ferrenhos adversários, chegando a afirmar que o Congresso a havia votado "de cócoras" cedendo à pressão popular.

O outro ponto prevê a inelegibilidade antes do final do processo criminal. Pela lei, para se tornar inelegível, basta que o político tenha sido condenado por um tribunal colegiado. Críticos afirmam que isso contraria o princípio da presunção da inocência, segundo o qual ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado da sentença, ou seja, até o final do processo.

Integrante do TSE e do STF, o ministro Marco Aurélio Mello afirmou que o tribunal eleitoral tinha dado "uma esperança vã à sociedade" ao determinar a aplicação da Ficha Limpa no ano passado. Apesar de reconhecer que ainda não está definida a constitucionalidade da norma ao afirmar que "a lei não está imune a questionamentos", Lewandowski discordou de Marco Aurélio. "A Lei da Ficha Limpa hoje é muito mais que uma lei formal, e uma ideia e sentimento de moralização dos costumes políticos. Essa ideia ingressou no imaginário popular".

Para o advogado-geral da União, Luís Inácio Lucena Adams, na análise de caso a caso, o Supremo construirá a jurisprudência sobre a Ficha Limpa, inclusive sobre o polêmico argumento de que a lei viola o princípio constitucional da presunção de inocência. O advogado-geral disse que os processos têm de ser equilibrados e reconheceu que "a Ficha Limpa vai evoluir". Leia mais.

Um soldado americano condenado a 24 anos por mortes no Afeganistão

O militar Jeremy Morlock foi condenado, no dia 23/3, a 24 anos de prisão por uma corte marcial, pelas mortes de três civis afegãos mortos por prazer com a suposta  cumplicidade de quatro outros soldados de seu batalhão, durante uma missão no Afeganistão. Morlock, o primeiro desses cinco soldados da brigada Sryker da Companhia Bravo a ser julgado, se declarou culpado e será testemunha-chave no julgamento dos demais, principalmente do suposto chefe da operação o sargento Calvin R. Gibbs.

Esse militar de 23 anos, originário do Alasca, escutou em silêncio a sentença contra ele e, depois da audiência, leu uma declaração em que pede desculpas aos familiares das vítimas e ao povo afegão, dizendo que "havia perdido sua bússola moral". Ele admitiu ter matado ou ajudado a matar três homens quando de uma missão na província de Kandahar, e haver colocado armas afegãs à volta dos corpos para fazê-los passar por inimigos. Indagado se os tiros poderiam ter sido executados sem a ajuda de outros, ele respondeu sem hesitar "Nossa missão era matar". Morlock é um dos três soldados fotografados posando junto ao cadáver de um civil afegão, cujas fotos foram reveladas pela revista alemã Der Spiegel e causaram enorme repercussão no exército americano  -- ver postagem anterior.

Por uma negociação, revelada durante o processo, Morlock evitará a prisão perpétua e, segundo seu advogado, poderá ser colocado em liberdade condicional ao final de sete anos. Leia mais.
Jeremy Morlock, o soldado condenado a 24 anos pela morte de civis no Afeganistão. (Foto AP)

Pedófilos estão usando redes sociais online para enganar investigadores

Quando investigadores federais invadiram em Seattle (EUA) a casa de Brian Rubenaker, 45 anos, um pornógrafo já condenado, viram que ele estava circulando material sobre pedofilia -- mas além do material revoltante que estava à mostra, eles ficaram impressionados com o sofisticado front novo que iriam enfrentar no trânsito de imagens pornográficas pela internet. Pela primeira vez, se depararam com o uso do programa Google Hello (agora extinto), destinado a mensagens instantâneas com fotos, em um caso de pedofilia.

Links encontrados no computador de Rubenaker permitiram acessos que se espalhavam por outros continentes. No mês passado dois homens de Virginia (EUA) foram os mais recentes pornógrafos a serem presos e condenados à prisão, por participar de um grupo que intercambiava pornografia infantil através de um sistema sofisticado, acessível apenas para seus membros. Investigações de dois anos sobre o Google Hello e na rede social Multiply mostraram que pedófilos estão utilizando poderosas ferramentas de criptografia na mídia social e em outros programas, para compartilhar ilegalmente pornografia infantil. Grupos de pedofilia estão usando também uma ferramenta simples, mas altamente eficiente, para evitar o acesso de investigadores. Leia mais.

quinta-feira, 24 de março de 2011

Alimentos transgênicos ganham força contra alimentos orgânicos nos Estados Unidos

No dia 14 de janeiro de 2011 fiz a postagem Afinal, em que pé estamos no Brasil quanto aos transgênicos?.  Ali, além de comentar a falta de transparência do governo quanto a esse tema no Brasil, comentava que a corrente brasileira contrária aos transgênicos poderia se ver estimulada, caso fosse derrubada a aprovação do uso de alfafa modificada, em discussão nos EUA desde 2005. Notícias recentes dão a nítida impressão de que os transgênicos estão ganhando a batalha nos EUA -- o que é um forte indício da pressão que exercerão em outros países, e desta certamente não escaparemos.

Os agricultores orgânicos americanos argumentam que, sem salvaguardas, suas plantações serão contaminadas pelas plantações vizinhas de transgênicos, o que é rechaçado pelos plantadores destes alimentos, que alegam que seus produtos são suficientemente seguros e que não devem sofrer restrições para proteger os competidores orgânicos. No meio desse conflito o Secretário de Agricultura dos EUA, Tom Vilsack, vem há dois anos prometendo algo "revolucionário" (as aspas são minhas): encontrar um meio para que esses dois tipos de agricultura convivam, lado a lado. Mas, em semanas recentes, ele tem tomado decisões que tornam sombrio o futuro dos alimentos orgânicos e fortalecem os alimentos transgênicos: aprovou a alfafa geneticamente modificada (um jato de água fria nos apoiadores dos orgânicos no Brasil, ver início desta postagem) e um tipo de milho modificado, para fabricação de etanol, e deu um OK ilimitado para a beterraba geneticamente modificada. -- Os executivos da indústria de transgênicos aplaudiram essas decisões, e afirmaram que seus alimentos são a agricultura do futuro, ao passo que os plantadores de produtos orgânicos ficaram furiosos, dizendo-se frustrados e decepcionados com o comportamento do governo Obama nessa área. Leia mais.
Jovem cuida de tomates orgânicos em uma estufa em Kibera, no Quênia. (Foto: Tony Karumba/AFP/Getty Images)

Privilegiando o próprio estômago, o prefeito Eduardo Paes cria tombamento de restaurante

Provinciano e demagógico, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, decidiu a toque de caixa decretar o tombamento do imóvel em que se localiza o restaurante Antiquarius, no Leblon. Isto porque, dias antes, havia saído no Diário Oficial do município um pedido de, ou a licença para, demolição do referido imóvel. Ou seja, na realidade o prefeito tombou o restaurante e agrediu frontalmente o direito sagrado do proprietário de gerir seu patrimônio. Ressalte-se que, arquitetonicamente, a casa é banalíssima e, portanto, nem este item pode ser invocado para seu tombamento.

Para quem eventualmente não sabe, o Antiquarius é o templo da culinária portuguesa no Rio, restaurante caríssimo e acessível apenas a uma elite de dinheiro no bolso, entre os quais certamente se inclui Eduardo Paes. Falou mais alto para o prefeito a voz de seu estômago e, dane-se o proprietário do imóvel, vamos garantir nosso bacalhau e outras delícias da cozinha portuguesa. Não importa se o restaurante falir, se for substituído por um botequim, se virar sauna mista, ou o que seja, o fundamental é que, enquanto existir, a famosa casa de pasto seja protegida. Ganha um santinho quem adivinhar que, a partir de agora, Eduardo Paes terá boca livre no Antiquarius.

Supremo Trinunal Federal prefere o tecnicismo cego à moralização dos costumes políticos

Frustrando o país inteiro, o ministro Luiz Fux começou com o pé esquerdo sua trajetória no STF. Praticamente repetindo ipsis literis o voto do relator, ministro Gilmar Mendes, Fux optou por aplicar o tecnicismo puro, gélido e indiferente em vez de atentar devidamente para o aspecto altamente moralizador da Lei da Ficha Limpa. Veio assim somar-se aos outros cinco ministros que já haviam dado carta branca e indulgência plenária a políticos corruptos e safados, candidatos às eleições de 2010 e até ontem barrados da vida pública.

Louvem-se os votos contrários, especialmente os dos ministros Enrique Ricardo Lewandowski (que atualmente preside o TSE - Tribunal Superior Eleitoral) e Ayres Britto, ambos brilhantes, cirúrgicos e contundentes. Aos leigos restou acompanhar o desfilar de termos em justicês, abundantes expressões latinas, e a arrogância monárquica e professoral de Gilmar Mendes e de seu fiel escudeiro nesse embate, o ministro Marco Aurélio, ambos votos vencedores contra a Lei da Ficha Limpa. Para os pagãos do direito ficou-nos a nítida impressão de que o artigo 14 da Constituição, em seu parágrafo 9°, dava amplo e cabal respaldo à aplicação nas eleições de 2010 do espírito moralizador da Lei da Ficha Limpa, como brilhantemente sustentado por Ayres Britto, mas prevaleceu a corrente que se ancorou no que se passou a chamar de "cláusula pétrea" da Carta Magna, seu artigo 16. Mais uma vez, ganha o STF purista ferrenho e cego contra o STF moralizador.

Graças a seis ministros e, fundamentalmente, a Luiz Fux, a nação se vê obrigada a forçar seu aparelho digestivo cívico e político a digerir os Jader Barbalhos e outras pústulas da vida política nacional, adiando-se assim, teoricamente, até 2012 a aplicação da moralização exigida pela Lei da Ficha Limpa -- depois do que se viu ontem nada impede que outros ataques sejam feitos contra esta lei, enquanto tivermos no STF fanfarrões do direito constitucional do estilo de Gilmar Mendes, Marco Aurélio e Luiz Fux. Ontem foi um dia de luto para a consciência cívica brasileira.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Para onde caminha Portugal?

O Primeiro-Ministro português José Sócrates acaba de ser derrotado no Parlamento, que rechaçou seu PEC - Plano de Estabilidade de Crescimento e criou um vazio político exatamente à véspera da reunião de cume da União Européia, que será levada a cabo amanhã e depois em Bruxelas. A derrubada do PEC acarretou a renúncia de Sócrates, que pediu a convocação de novas eleições, o que foi aceito pelo presidente do país, o conservador Aníbal Cavaco Silva, que abrirá reuniões com os partidos políticos na próxima sexta-feira. Neste ínterim, permanece Sócrates no cargo mas com poderes limitadíssimos, nos termos da legislação portuguesa.

Vista à distância, a situação de Portugal se afigura confusa e, até certo ponto, contraditória. O objetivo precípuo do PEC era tentar resolver internamente a crise financeira portuguesa, evitando o recurso ao Fundo de Estabilização (ou de Resgate, não importa o nome) da União Européia e ao FMI - Fundo Monetário Internacional, partindo da premissa de que os sacrifícios e restrições demandados por essas duas instituições seriam necessariamente piores do que aqueles determinados pelo PEC -- além de o recurso a elas interferir, na visão de Sócrates, na soberania do país. A posição de José Sócrates neste particular me parece um tanto eufemística e questionável, pois seu governo vinha pagando taxas exorbitantes para conseguir dinheiro no mercado internacional, o que a meu ver também implicar arranhar a soberania nacional.

A oposição resolveu pagar p'ra ver, e votou maciçamente (direita e esquerda) contra o programa do governo, mas em momento algum apresentou sequer um esboço de programa alternativo ao PEC, o que torna lícito acreditar na acusação de Sócrates que o que o PSD na realidade quer é assumir o poder a qualquer preço.

Amanhã e depois em Bruxelas veremos o preço que Portugal pagará por ali chegar com um Primeiro-Ministro demissionário, e sem qualquer programa de controle de suas finanças -- se a situação do país antes da crise já era frágil na União Européia, onde enfrentava uma forte oposição da Alemanha à continuidade de uma política de contemporização com a indefinição portuguesa no manejo de sua crise financeira, imagine-se agora. Quem, além de Portugal, deve estar preocupada com esse andar da carruagem é a Espanha, considerada a bola da vez depois de seu vizinho.

Gatos domésticos são o inimigo n° 1 dos pássaros

Enquanto o público tem se concentrado nos geradores eólicos como ameaças para os pássaros, um novo estudo mostra que uma ameaça muito maior vem de um antagonista mais familiar: o gato doméstico. Um novo estudo no Journal of Ornithology sobre a mortalidade de filhotes de catbirds pardos nos subúrbios de Washington (obs.: os "catbirds" são uma espécie de tordo norte-americano -- o nosso sabiá pertence à família dos tordos) descobriu que, de longe, os gatos eram os maiores matadores da região.

A predação em algumas áreas era tão grave, que os tordos não eram capazes de repor o número de aves eliminadas, de acordo com pesquisadores que colocavam minúsculos radiotransmissores nos pássaros para rastreá-los. Esse é o primeiro estudo científico para calcular que fração da morte de pássaros, no estágio em que estão justo na condição de começar a voar, pode ser atribuída a gatos.

Aproximadamente 80% dos pássaros foram mortos por predadores, e os gatos foram responsáveis por 47% dessas mortes, de acordo com pesquisadores do Smithsonian Institute e da Universidade Towson, em Maryland. As taxas de mortalidade foram particularmente altas em locais com grandes populações de gatos. A American Bird Conservancy estima que cerca de 500 milhões de pássaros são mortos por gatos cada ano -- metade por gatos domésticos, metade por felinos selvagens. "Espero que paremos de minimizar e de considerar triviais os impactos que gatos soltos têm sobre o meio ambiente, e comecemos a tratar do sério assunto que é a ação predatória desses animais", disse Darin Schroeder, vice-presidente do grupo. Leia mais.

Gatos domésticos americanos "provocam uma significativa ruptura ecológica", diz um cientista. (Foto: American Bird Conservancy)

Exército americano pede desculpas pelas fotos terríveis do "time da morte" no Afeganistão

As fotos são repulsivas. Um grupo de soldados do exército americano no Afeganistão, infames e sem caráter, mataram civis inocentes e depois posaram com seus corpos. A revista alemã Der Spiegel (O Espelho) publicou algumas das fotos, e o exército americano respondeu prontamente com um pedido de desculpas. Mas, a OTAN ainda teme que a reação no Afeganistão possa ser violenta.

A Secretária Hillary Clinton já telefonou para a sua contraparte afegã, para discutir a situação. O Assessor para Segurança Nacional Tom Donilon fez também contatos com autoridades afegãs em Kabul. O caso ameaça estressar as já frágeis relações EUA-Afeganistão, em um momento em que os dois países estão negociando o estabelecimento de bases americanas permanentes no Afeganistão.

Em uma declaração o exército americano, que está preparando uma corte marcial para um total de 12 suspeitos ligados àquelas mortes, se desculpou pelo sofrimento que as fotos causaram. As ações mostradas nas fotos, diz a declaração, são "repugnantes para nós como seres humanos, e são contrárias às normas e valores dos Estados Unidos".

No quartel-general da OTAN teme-se que nos próximos dias surjam irados protestos no Afeganistão, ou mesmo potenciais ataques a unidades da Organização. "As fotos têm um enorme potencial aqui no Afeganistão", disse um general da OTAN à Spiegel Online, "a experiência diz que pode levar um par de dias, mas então a ira popular é liberada". Leia mais.
Esta imagem mostra o corpo de Gul Modin, filho de um fazendeiro, morto em 15/01/2010. Um membro do "time da morte" posa atrás dele. SPIEGEL publicou apenas três fotos de um conjunto de fotos e vídeos que viu.

Nesta foto, um outro soldado posa com o mesmo cadáver.

Estão em fase de preparativos os procedimentos para uma corte marcial contra 12 suspeitos, membros do "time da morte".  Esta foto faz parte da coleção de um deles.

terça-feira, 22 de março de 2011

Mais uma de Lula, Nosso Pinóquio Acrobata

Há um velho e sábio ditado que diz que quem nasceu p'ra ser sapo jamais será um pavão. Este exemplo da sabedoria popular me veio logo à mente quando soube que o cabra Lula, Nosso Pinóquio Acrobata (NPA), não compareceu ao almoço de homenagem a Obama em Brasília, apesar de convidado -- foi o único ex-presidente que cometeu essa grosseria.

As explicações dada por ele, ou por seus porta-vozes (que não são poucos), foram todas ridículas e incapazes de minimizar a palhaçada -- uns diziam que ele não foi para não "ofuscar" a presidente, outros informaram que ele deixou de ir por ter sido convidado pelo Itamaraty e não pela própria Dilma (o que foi desmentido por Brasília logo depois), uma outra fonte disse que ele preferiu participar de um churrasco pelo aniversário de um filho.

Há pessoas que permanecem opacas e insensíveis a qualquer polimento e melhoria na educação e nas boas maneiras, por mais que convivam com gente de melhor trato, e o NPA é um exemplo eloquente disso. Ele acha charmoso e prova de ser "independente" bancar o mal-educado e o grosseiro na própria casa, prefere proceder como uma criancinha mimada e mal-educada do que agir como um ex-presidente minimamente educado, nem que fosse só durante um almoço. Como há males que vêm para o bem, sua ausência acabou preenchendo uma lacuna.

Outro exemplo de arrogância burra e falta de educação de berço foi dado por Fernando Collor, o único ex-presidente presente ao almoço que se recusou a cumprimentar o casal Obama -- sorte de Obama e Michelle.

Como agradável e altamente elogiável contraponto às grossuras do NPA e de Collor, registre-se o comportamento elegantemente irrepreensível da presidente Dilma Rousseff durante a cerimônia, culminando com seu gesto civilizado e de fina estirpe de brindar direta e pessoalmente o ex-presidente Fernando Henrique. Temos agora no Planalto gente que conhece a liturgia do cargo e sabe comportar-se ao receber visitantes ilustres. Aleluia!

Considerações econômicas e comerciais retardaram o ataque aos problemas com a usina de Fukushima Daiichi, no Japão

Esforços vitais para controlar a usina nuclear de Fukushima Daiichi, no Japão, foram retardados por preocupações com danos a ativos valiosos e também pela passividade do governo, segundo afirmaram ontem pessoas familiarizadas com a situação, permitindo uma nova visão do gerenciamento da crise.

TEPCO, a operadora responsável pela usina, cogitou de utilizar água do mar para resfriar um dos seis reatores tão cedo quanto no dia seguinte ao desastre (sábado, 12/3), pela manhã. No entanto, isso não foi feito senão de noite naquele dia, após uma explosão nas instalações, depois que o Primeiro Ministro ordenou que isso fosse feito. Somente no domingo TEPCO começou a usar água do mar nos outros reatores. A companhia estava relutante em usar água do mar porque se preocupava em não prejudicar seu investimento de longo prazo naquele complexo nuclear. Esse recurso (água do mar) pode tornar o reator inoperante para sempre, mas é agora o foco principal dos esforços para controlar a usina.

A TEPCO hesitou "porque tentou proteger seus ativos", disse Akira Omoto, um ex-executivo da empresa e membro da Comissão de Energia Atômica do Japão, um órgão de assessoria envolvido nas operações para colocar a usina sob controle. Leia mais.
O presidente da TEPCO sai chorando de uma reunião com a imprensa na última sexta-feira. (Kyodo News/Associated Press)

O poder de síntese de um cartunista

Agradeço ao dileto amigo que me enviou esta charge.

Charge de Kap, La Vanguardia, Espanha - 21/3/2011.

A Apple processa a Amazon pelo uso do nome "Appstore"

A Apple está processando a Amazon, com o objetivo de obrigá-la a parar de usar o nome "Appstore" por considerá-lo deliberadamente semelhante ao de sua App Store. "Isto confundirá os consumidores e os induzirá a erros", disse a porta-voz da Apple, Kristin Huguet. A Appstore da Amazon oferecerá aplicações -- que podem ser baixadas -- para o sistema Android do Google.

A ação judicial da Apple afirma: "A Amazon começou a usar impropriamente a marca App Store da Apple em conexão com seu programa que desenvolve software para celulares. Os usuários de downloads de software para celulares tenderão a ficar confusos se esse serviço da Amazon é patrocinado ou aprovado pela Apple". A empresa diz que contatou a Amazon três vezes para que parasse de usar o nome Appstore -- até agora a Amazon declinou de comentar o assunto.

A Apple tem tentado registrar o nome App Store nos EUA, mas sua petição está ainda sob exame de um comitê especifico. A Microsoft, que está se mexendo para entrar no mercado de celulares, solicitou que esse pedido de registro da Apple fosse negado. Leia mais.
A Amazon tem usado o nome Appstore em propaganda, antes de lançar o serviço correspondente.

Dilma anuncia R$ 4,5 bi para combate ao câncer do colo do útero e de mama

A presidenta Dilma Rousseff anunciou ontem (21) que o governo federal investirá, até 2014, R$ 4,5 bilhões na prevenção, no diagnóstico e no tratamento do câncer do colo do útero e de mama. Em seu programa semanal de rádio, Dilma disse que determinou ao Ministério da Saúde que amplie e melhore a área de oncologia dos hospitais e realize vistoria dos aparelhos de mamografia à disposição da rede pública de saúde.

Ela estará hoje em Manaus para lançar o programa de Prevenção ao Câncer de Mama e ao Câncer de Colo do Útero. “Essas duas doenças atingem muito as brasileiras, por isso elas precisam ser vistas com atenção redobrada. Eu não me canso de repetir: sei, por experiência própria, que o câncer tem maior chance de cura quando é tratado no início. E é para isso que o meu governo está trabalhando. Queremos que toda mulher tenha oportunidade de se cuidar, fazendo a prevenção bem feita. E se a doença, mesmo assim aparecer, queremos que toda mulher possa fazer o melhor tratamento possível, no tempo certo e com qualidade”, declarou.

O programa deve garantir, segundo Dilma, exames preventivos para todas as mulheres entre 25 e 59 anos. Os laboratórios, afirmou ela, serão incentivados a trabalhar dentro de padrões internacionais de qualidade. “Eles vão receber orientação e o dinheiro para isso. Um exame bem feito já é meio caminho andado.” Leia mais.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Bandidos estão saqueando tesouros arqueológicos do Peru e de outros países latino-americanos

Moche é uma das mais antigas e misteriosas civilizações da América do Sul, que antecedeu em 1.000 anos a dos Incas. Tendo como berço o norte do Peru, ela floresceu no período de 100 a 800 DC e construiu canais e estruturas piramidais monumentais, denominadas huacas, e produziu cerâmicas e jóias de desenhos e detalhes complexos. A região peruana onde nasceu e floresceu transformou-se em uma "paisagem lunar", devido às valas e buracos de saqueadores em centenas de quilômetros. "Estima-se que mais de 100 mil túmulos -- mais da metade dos sítios conhecidos no país -- foram saqueados", diz um relatório recente denominado "Preservando nossa Herança em Desaparecimento" emitido pelo Fundo de Herança Global (Global Heritage Fund, de S. Francisco, EUA). Esse mesmo relatório identificou 200 locais "sob risco" em países em desenvolvimento, com destaque para as Américas do Sul e Central. Quadrilhas de saqueadores estão pilhando esse tesouro do Peru, para vendê-lo ilegalmente para turistas e colecionadores.

A maioria dos huaqueros é formada de agricultores, que assim agem para complementar suas magras receitas, mas há também o caso de pessoas autorizadas pelos colonizadores espanhóis a fazer mineraçãp para a descoberta de tesouros, devastando a região e causando danos irremediáveis.

Todos esses problemas virão à tona e serão discutidos por ocasião das comemorações pelo centésimo aniversário da redescoberta de Machu Picchu, a cidadela inca no sul do Peru, pelo historiador norte-americano Hiram Bingham.

Jeff Morgan, diretor executivo do Global Heritage Fund, instou o governo peruano a desviar o fluxo turístico de Machu Picchu -- sobrecarregada com dois milhões de visitantes por ano -- para outros locais menos conhecidos, que poderiam assim angariar receita para a proteção de suas heranças culturais e arqueológicas. Leia mais.
O 100° aniversário da redescoberta de Machu Picchu colocará em destaque à pilhagem que hoje se faz dos tesouros arqueológicos da região. (Foto: Alamy)

Embraer e Azul farão o primeiro teste de bioquerosene de cana em avião

A pista experimental da Embraer em Gavião Peixoto, na região de Ribeirão Preto, servirá de palco para a decolagem do primeiro avião abastecido com bioquerosene de cana-de-açúcar.

O projeto é desenvolvido em uma parceria entre Embraer, Azul Linhas Aéreas, Amyris e GE. O teste está programado para ocorrer no primeiro semestre de 2012.

Um tipo de bioquerosene de pinhão já foi testado em um voo da TAM, mas até hoje, segundo a Embraer, nenhuma experiência foi feita com a cana, principal matéria-prima para bicombustíveis no país.

De acordo com o diretor de Estratégias e Tecnologias para o Meio Ambiente da Embraer, Guilherme de Almeida Freire, o objetivo da parceria é desenvolver um combustível que possibilite o voo sem a necessidade de modificações nos aviões.

"Todos os trabalhos são para que as modificações ocorram apenas no bioquerosene, sem que sejam necessários investimentos na adaptação de aeronaves ou na infraestrutura aeroviária", afirmou Freire.

Ele disse que a fabricação do querosene de cana-de-açúcar utiliza um processo de fermentação "primo", ou semelhante, ao usado na produção do etanol utilizado nos carros.

O voo para testar a novidade será em uma aeronave da Azul.(Fonte: ver aqui).

Street View: a França aplica uma multa no Google

Através da Comissão Nacional de Informática e das Liberdades (CNIL), a polícia francesa da vida privada, a França aplicou uma multa de 100 mil euros no Google por haver coletado dados pessoais quando da implantação de seu Google Street View, seu serviço de cartografia interativa.

Para colocar em operação esse serviço o Google utiliza veículos equipados com câmeras e registradores, que circulam pelas ruas e filmam a paisagem em 360 graus. Mas essas viaturas  não coletam apenas imagens: "Controles feitos no final de 2009 e início de 2010 permitiram à CNIL constatar que os veículos utilizados no território francês captavam e registravam não apenas fotografias, mas também dados que circulavam pelas redes sem fio Wi-Fi de particulares, sem o conhecimento das pessoas afetadas", informa a CNIL. Controles semelhantes efetuados em outros países chegaram à mesma conclusão.

"Como já dissemos, lamentamos profundamente haver coletado por engano dados circulando em redes Wi-Fi sem proteção" reagiu Peter Fleischer, diretor de proteção de dados pessoais no Google, quando soube da multa. "Assim que percebemos o que ocorria suspendemos a circulação dos veículos e comunicamos imediatamente o fato às autoridades francesas. Nosso objetivo sempre foi destruir esses dados, e estamos contentes com a autorização que recebemos da CNIL para isso. Leia mais.
Os veículos Street View do Google, equipados com câmeras de 360 graus, coletaram dados privados (AFP/Daniel Mihaillescu).

Banco Mundial estima em 235 bilhões de dólares os danos ao Japão

Segundo declaração do Banco Mundial nesta segunda-feira, o terremoto e o tsunami de 11/3/11 no Japão causaram danos de 235 bilhões de dólares, o que os torna um dos desastres naturais mais caros da história moderna. O esforço de reconstrução levará 5 anos, diz o Banco em seu relatório, e custará bem mais que o terremoto do Haiti do ano passado, o de Kobe em 1995, que o furacão Katrina de 2005 e o tsunami do sul da Ásia em 2004. O Banco diz ainda que as consequências econômicas do desastre poderiam reduzir os rendimentos dos bônus japoneses, mas isso teria apenas um "modesto impacto de curto prazo" no leste da Ásia.

Até agora 8.649 pessoas morreram, outras 13.262 estão desaparecidas, e milhares foram evacuadas para abrigos em Tóquio e outros locais.

Os problemas na usina de Fukushima Daiichi ainda não foram controlados. Em um relatório emitido nove dias antes da tragédia deste mês de março, a agência de segurança nuclear do Japão criticou a empresa Tokyo Electric Power (TEPCO), responsável por Fukushima, por falhar repetidamente em fazer inspeções em equipamentos críticos, informou a agência Associated Press (AP) nesta segunda-feira. A Agência de Segurança Industrial e Nuclear (NISA, em inglês) citou a empresa por ignorar programas de inspeção e deixar de examinar 33 peças de equipamentos da usina de Fukushima Daiichi, incluindo peças cruciais do sistema de resfriamento, os geradores diesel de emergência da unidade 3, as bombas para reatores das unidades 1 e 2, e o gerador da unidade 4, diz a AP. Entretanto, as autoridades de segurança declinaram de culpar as citadas violações pela crise atual. Leia mais.

Avanços da ciência, aqui e lá fora (51)

  • Terras raras elevam eficiência de material termoelétrico em 25% -- Pesquisadores do Laboratório Ames, nos Estados Unidos, alcançaram uma melhoria surpreendente de 25% no rendimento dos materiais termoelétricos. Nas usinas termoelétricas o calor é usado para gerar vapor d'água, que é usado para gerar uma turbina, que por sua vez aciona um gerador, que finalmente produz a eletricidade. O material termoelétrico - uma chapa sólida feita com uma liga metálica especial - elimina todos esses passos, transformando diretamente o calor em eletricidade. O grande problema é que os materiais termoelétricos ainda são ineficientes. Leia mais.
  • Reator fotoquímico brasileiro inova com tecnologia de LEDs --
    Cientistas brasileiros desenvolveram uma nova versão de um reator fotoquímico usando a tecnologia dos LEDs - diodos emissores de luz.
    Reatores fotoquímicos são usados, entre outros objetivos, na investigação de reações fotoquímicas, nos estudos da fotossíntese artificial e da terapia fotodinâmica, técnica utilizada no tratamento do câncer. A maior inovação do novo reator fotoquímico é a substituição das lâmpadas fluorescentes por LEDs, uma nova tendência em tecnologia que aumenta consideravelmente a eficácia luminosa do aparelho. Leia mais.
    A maior inovação do novo reator fotoquímico é a substituição das lâmpadas fluorescentes por LEDs. [Imagem: IFSC]




Avanços da ciência, aqui e lá fora (50)

  • Finep e BNDES assinam acordo de inovação no setor de açúcar e etanol -- A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCT) e o BNDES assinaram no dia 17 um Acordo de Cooperação Técnica para a execução do Plano Conjunto de Apoio à Inovação Tecnológica Industrial dos Setores Sucroenergético e Sucroquímico (PAISS). O objetivo é que o Brasil possa alcançar, nas tecnologias mais avançadas, o mesmo protagonismo tecnológico já apresentado na produção de biocombustíveis convencionais. Leia mais.
  • Novo biofármaco pode aprimorar o tratamento do diabetes -- Um biofármaco que acaba de ser desenvolvido por pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) -- e que já teve seu pedido de patente depositado no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) -- pode representar um novo caminho para tornar mais eficaz o tratamento do diabetes. O medicamento,  produzido no Laboratório de Biotecnologia da universidade (BiotecFar), baseia-se em um sistema de liberação prolongada de amilina humana e tem como objetivo oferecer aos diabéticos um melhor controle da glicemia. Leia mais.
  • CTI lança pedra fundamental de novo parque tecnológico -- O complexo terá 5000m2, financiado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCT), receberá um investimento de mais de R$ 15 milhões e tem o objetivo de viabilizar a sinergia entre empresas e entidades de pesquisa que atuem em setores tecnológicos de ponta a realizarem trabalhos em parceria com o CTI. Leia mais.

domingo, 20 de março de 2011

Histórias sórdidas envolvendo Kadafi e os principais líderes do Ocidente

Quem quiser saber mais sobre os bastidores sujos de uma relação promíscua entre Muammar Kadafi e os principais líderes do Ocidente precisa ler o artigo Can Buy Me Love, na Newsweek desta semana. Antes que os líbios se levantassem contra ele, Kadafi usou dinheiro e propostas diplomáticas de estabelecimento de relações amistosas cronologicamente bem programadas para insinuar-se nas boas graças do Ocidente. O artigo mostra como George W. Bush, Tony Blair, Nicolas Sarkozy, Gordon Brown e Silvio Berlusconi deram ao brutal ditador nova aparência e estilo.

Como o artigo diz, a história é "sórdida" e começa em 2003 no tradicional Travellers Club em Londres, que desde o século 19 tem sido um lugar favorito para encontro de cavalheiros das intrigas e maquinações internacionais. Foi lá, em dezembro de 2003, que o mestre da espionagem líbia, Musa Kusa, encontrou-se com representantes dos serviços de inteligência ingleses e americanos, com o objetivo de elaborar um acordo que tirasse o patrão de Musa, Muammar Kadafi, de uma situação de indiferença e congelamento e o colocasse novamente em cena.

Musa, hoje ministro das Relações Exteriores da Líbia, tem mestrado pela Universidade do Estado de Michigan nos anos 1970 e seus dois filhos nasceram nos EUA e são cidadãos americanos. Foi o domínio que tem dos modos e maneiras ocidentais que o tornou tão eficiente em seu papel básico de viabilizador de Kadafi, ajudando e estimulando o comportamento patológico do líder líbio. Musa inventa desculpas, evita e bloqueia consequências, gera acordos e acomodações, e assim tem conseguido manter seu patrão no poder não importa os crimes que ele tenha cometido contra seu próprio país ou contra o mundo. Mas o que é realmente perturbador é a lista de líderes mundiais que conseguiu juntar nessa atividade: Tony Blair, Nicolas Sarkozy, Silvio Berlusconi, Gordon Brown e até mesmo George W. Bush. Como eles acabaram colaborando com alguém que já havia sido e voltaria a ser um pária?

George Tenet, ex-diretor da CIA, chamou as negociações com Musa "ilustrativas do mundo surreal em que temos que operar". Segundo Tenet, muitos na CIA na realidade suspeitavam que Musa havia arquitetado a explosão, em 1988, do vôo 103 da Panam sobre Lockerbie, Escócia, matando 270 pessoas. Mas em 2003 os serviços de inteligência ocidentais  sentiam-se tão confortáveis com as propostas de Musa como nas poltronas de couro do Travellers Club -- e ajudaram os líderes ocidentais a se sentirem da mesma maneira. Eram um acordo ao qual ninguém poderia resistir: os campos de petróleo da Líbia seriam completamente abertos para o Ocidente, e os bancos americanos e europeus poderiam voltar a drenar as receitas do país. E Kadafi renunciaria publicamente ao seu supostamente verdadeiro programa nuclear (grande parte do qual nunca tinha sido sequer desencaixotada). Tendo invadido o Iraque em busca de armas de destruição em massa inexistentes, o governo Bush poderia alegar que pelo menos na Líbia os esforços estavam dando frutos. O plano parecia beneciar todo mundo exceto, como finalmente se viu, o povo líbio.

A campanha de Musa para a reabilitação de Kadafi escorava-se fortemente no forte interesse do Ocidente pelo petróleo e pelo dinheiro da Líbia, mas ele usou outros instrumentos também, como por exemplo a queda de alguns líderes democráticos por tiranos úteis. Leia mais. Ver também postagem recente sobre a atual intervenção militar na Líbia.
Ilustração por Sean Mc Cabe

FIA acata sugestão e implanta "gerador de ultrapassagem"

De uns tempos para cá as corridas de Fórmula 1 têm sido chatíssimas, com o quase desaparecimento das ultrapassagens principalmente por conta de circuitos modernos e charmosos mas travados, praticamente eliminando o principal atrativo dessas corridas. Segundo levantamento da revista "Autosport", sem contar corridas com chuva e manobras na primeira curva, a média de ultrapassagens entre os seis primeiros colocados em 2010 foi de 1,15 por corrida, o que convenhamos é muito pouco.

Foram inúmeras tentativas fracassadas da FIA. As duas últimas, a introdução do Kers, o sistema que transforma energia das freadas em potência e que volta nesta temporada, e as asas dianteiras flexíveis.  -- Agora, a FIA acatou uma sugestão feita pelas equipes e radicalizou na busca por mais ultrapassagens na F-1.

E, para a temporada que começa nesta semana, na Austrália (a corrida será no domingo), a entidade que comanda o automobilismo introduziu um novo gerador artificial de ultrapassagens. É um sistema de asas traseiras móveis que promete não só aumentar o espetáculo como também a confusão. O mecanismo é bem simples. O problema é sua utilização. E sua fiscalização.

A ideia é solucionar uma antiga reclamação dos pilotos. Eles dizem que é praticamente impossível ultrapassar um carro em condições normais, a não ser em performances muito diferentes, como nos casos de retardatários ou equipes nanicas.

Com isso, a FIA criou o sistema que permite aos pilotos mover a asa traseira para ajudar nas ultrapassagens. A abertura criada no aerofólio traseiro diminui o arrasto e, assim, dá mais velocidade. O problema é que o sistema só pode ser usado uma vez por volta durante as corridas e em locais específicos --a chamada "zona de ultrapassagem". Essa área e a "zona de aproximação" vão ser demarcadas com faixas brancas, que serão pintadas. Outro pré-requisito para o uso é que o piloto deve estar a, no máximo, um segundo do carro que quer passar. Por meio de um botão no volante, o movimento da asa é controlado pelos pilotos. Leia mais.

Dilma: governo fará concessão de aeroportos

Em entrevista ao jornal Valor Econômico do dia 17, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o governo prepara a concessão de aeroportos brasileiros para a exploração da iniciativa privada. Em sua primeira entrevista a um jornal desde sua posse, Dilma afirmou que o novo modelo poderá ser implantado tanto em terminais já existentes quanto nos que ainda serão construídos. Segundo ela, o governo não tem preconceito contra “nenhuma forma de investimento nessa área”, alvo de críticas por parte de organizadores da Copa do Mundo de 2014.

"Vamos fazer concessão do que existe, fazer um novo terminal, por exemplo. Posso fazer concessão administrativa com cláusula de expansão. Posso fazer concessão onde nada existe, como a construção de um aeroporto da mesma forma que se faz numa hidrelétrica. É possível que haja necessidade de investimentos públicos em alguns aeroportos. O Brasil terá que ter aeroportos regionais", defendeu a presidente em entrevista à jornalista Claudia Safatle.

Dilma afirmou que pretende enviar ainda este mês ao Congresso uma medida provisória criando a Secretaria de Aviação Civil, que terá status de ministério. "Queremos uma verdadeira transformação nessa área. Para ela, irão a Anac [Agência Nacional de Aviação Civil), a Infraero e toda a estrutura para fazer a política." Leia aqui esses e outros detalhes da entrevista.

A sombra da China acompanha Obama em sua viagem à América Latina

A viagem de quatro dias de Obama à América Latina tem o objetivo de restabelecer a liderança americana na região, no momento em que a presença e o poder da China crescem de São Paulo a Santiago. O presidente americano terá problemas para reduzir ou controlar a presença chinesa em uma região tradicionalmente considerada pelos EUA como seu "quintal". A abstenção dos BRICs (Brasil, Índia, Rússia e China) na recentíssima decisão do Conselho de Segurança da ONU sobre a intervenção militar na Líbia, fortemente inspirada e estimulada pelo EUA,  à véspera do início da viagem latino-americana de Obama, é considerada por analistas como uma operação articulada pelos quatro países e uma prova do nível de articulação entre eles, sobretudo próximo do encontro que terão em breve na China.

Funcionários da Casa Branca dizem que os EUA não estão agindo em confronto econômico com a China na América Latina, e classificam sua viagem como uma iniciativa para gerar negócios para o país, estreitando laços com mercados de rápido crescimento como o Brasil. Mas o tamanho da comitiva presidencial, incluindo quatro membros de seu gabinete, e a realização da viagem em meio a discussões sobre o orçamento e múltiplas crises, como a da Líbia, reforçam o argumento de que os EUA têm consciência de que perderam terreno na América Latina quando a região se volta para o oriente em busca de oportunidade econômica. No ano passado, a China ultrapassou os EUA como maior parceiro comercial do Brasil, e os chineses superam também os americanos no comércio com a Argentina e o Chile. Leia mais.

sábado, 19 de março de 2011

Falando de Líbia, o que está por trás da intervenção militar autorizada pela ONU?

No momento em que se processa uma intervenção armada na Líbia por uma coalizão de países, por decisão do Conselho de Segurança das Nações Unidas (com a abstenção de Alemanha, Brasil, China, Índia e Rússia, e a aprovação dos 10 países restantes), sob a alegação de proteção da população civil desse país, parece-me oportuno dar uma olhada em outros países em que a população civil já vem sendo dizimada ou poderá sê-lo,  e qual a posição que o ocidente (em particular os países que formam a coalizão que agora intervém na Líbia) tem adotado em relação a isso.
  • Sudão -- hoje o maior país da África e um incipiente produtor de petróleo (520 mil barris/dia), está em guerra civil há 46 anos; a guerra e secas prolongadas já mataram mais de 2 milhões (leia mais). Ação do ocidente para ajudar o país a sair dessa situação: zero.
  • Somália -- outro país africano, considerado politicamente falido, está em guerra civil desde 1991 e é considerado um dos países mais pobres e violentos do mundo -- o caos político em que se encontra tornou-o gerador e reduto de piratas que há anos vêm sequestrando navios e tripulações de qualquer bandeira. A ONU interveio de 1992 a 1995, e então se retirou do país, depois de seu contingente sofrer pesadas baixas. No final de 2009 havia 678 mil refugiados somalianos amparados pela ONU (leia aqui). Ação do ocidente após 1995: zero.
  • Costa do Marfim -- também africano, o país está à beira de uma guerra civil porque o presidente em exercício se recusa a reconhecer sua derrota nas eleições de 2010, já tendo havido escaramuças e mortes entre seus partidários e os do presidente eleito (leia mais). Medidas efetivas do ocidente para evitar que a situação degenere em querra civil de grandes proporções: zero.
A lista poderia se estender. O que diferencia a Líbia desses países? Duas coisas: o petróleo que produz, de vital importâncias para vários países ocidentais, e sua posição estratégica. Estas são as verdadeiras razões por trás da intervenção militar do ocidente ora em curso no país, tudo mais é pura hipocrisia e deslavada mentira. Até ontem Kadafi era paparicado, protegido e apoiado pelos mesmos países que hoje querem derrubá-lo, e que propositadamente deixaram a situação chegar ao ponto incontrolável a que chegou para justificar sua já planejada intervenção militar. Nessa briga não há anjinhos, ninguém é flor que se cheire. Kadafi é um ditador sanguinário e o que está fazendo é inadmissível, mas o Egito e a Tunísia estão aí para provar que governos podem ser derrubados e regimes podem ser substituídos sem guerra civil e sem derramamento de sangue. EUA, França, e Inglaterra, membros proeminentes da coalizão, têm um passado (e até um presente ...) que os condena em termos de mentalidade xerifesca de atuar violentamente em defesa de seus interesses -- a Líbia é mais uma prova disto.

Carne de boi argentino está com gosto de porco, diz cientista

Cientistas argentinos asseguraram que as mudanças na dieta do gado bovino, que cada vez engorda mais em curral e menos com gramados naturais, pode afetar o sabor da carne bovina, deixando-o com gosto de porco.

Trata-se de uma mudança no sabor que já é detectada pelos consumidores. "Ela está associada com a transformação registrada nos sistemas de engorda", indicaram especialistas do Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA) da Argentina na quinta-feira.

Enrique Pavan, um pesquisador do organismo, explicou que houve um aumento no número de bovinos engordados a base de alimentos industrializados, como alguns derivados de sementes oleaginosas. Elas podem afetar o sabor da carne, informa ele.

Segundo o especialista, este tipo de dieta com alta composição de ácidos graxos contrasta com a dos gramados naturais, que por anos foi fonte de alimentação dos gados na Argentina, país que se ganhou boa fama pela qualidade e o sabor de suas carnes.

Segundo o INTA, como consequência da introdução e extensão deste tipo de práticas alimentícias nos bovinos, a composição de ácidos graxos de bovinos e suínos ficou parecida.(Fonte: ver aqui).

sexta-feira, 18 de março de 2011

Provérbio chinês

"Há três coisas que não voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada, e a oportunidade perdida".

Pesquisa aponta que quase dois terços dos americanos consideram que a guerra do Afeganistão não vale a pena

Quase dois terços dos americanos dizem agora que a guerra do Afeganistão não vale a pena ser lutada, de acordo com uma recente pesquisa conjunta Washington Post-ABC News -- essa é até agora a mais alta proporção de opositores a esse conflito. Esse resultado significa um crescente desafio para Obama, que decidirá no início desse verão a rapidez com que retirará as tropas americanas daquele país. Depois de quase uma década de guerra, a oposição política a ela é forte, com apenas 19% dos democratas e 50% dos republicanos pesquisados respondendo que a guerra deve ser continuada. Leia mais.
Gráfico da pesquisa
Pergunta 1: Considerando os custos e benefícios para os EUA, você considera que a guerra do Afeganistão tem valido a pena ser lutada, ou não?
No gráfico, a linha do "sim" começou com cerca de 58% em 2007 e termina agora com 31% -- a linha do "não" começou com cerca de 41% em 2007 e termina agora com 64%.
Pergunta 2: Você acha que as tropas americanas devem, ou não devem, ser retiradas do Afeganistão nesse verão?
Na base do gráfico, os que responderam que "devem" somaram 73% contra 21% de "não devem".  -- 39% acharam que elas serão retiradas e 53% acham que elas não serão retiradas.

Sem lar, sem ajuda, sem esperança: desespero japonês transforma-se agora em raiva e irritação

No Japão o humor piora enquanto os sem-teto aguardam por alimento e medicamentos. Enquanto luta para controlar uma crise nuclear e para abrigar e alimentar as milhares de pessoas que ficaram sem teto por causa do devastador desastre do dia 11 de março, o governo japonês enfrenta um coro crescente de críticas à sua maneira de lidar com a crise. Enquanto a mídia nacional esbraveja contra uma visível falta de avanço no provimento do mínimo necessário para a sobrevivência dos atingidos no nordeste do país, o prefeito de Fukushima alerta quanto às falhas e deficiências que atrasam as evacuações: "A ansiedade e a irritação das pessoas estão à beira do descontrole", disse ele, acrescentando que os centros de evacuação não têm alimentos quentes, medicamentos e combustível suficientes.

Uma semana depois da tragédia é ainda impossível comprar uma garrafa de água em uma cidade distante apenas cinco horas de carro de Tóquio, e as pessoas começam a  se perguntar o que está acontecendo -- em muitos lugares a falta de água freca, eletricidade e gás pioram as condições de miséria existentes, e o governo não dá explicações.

Em outra frente, o primeiro sinal da frustração internacional diante da reticência do governo japonês em reconhecer que a situação da usina de Fukushima Daiichi havia atingido um ponto crítico veio de uma forte e pouco disfarçada crítica do diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica ao Primeiro Ministro Naoto Kan. "Não temos a informação detalhada de que necessitamos, por isso fica limitado o que podemos fazer", disse Yukiya Amano, ele mesmo um japonês, "estou tentando melhorar o nível de comunicação". Leia mais.
Uma mulher se afasta dos destroços de sua casa em Kasennuma (Getty Images).

Eletronuclear se manifesta sobre a segurança de nossas centrais nucleares tendo em vista o desastre nuclear na central japonesa de Fukushima Daiichi

De um dileto amigo, a quem agradeço, recebi um documento (arquivo doc) com uma nota da Eletronuclear (3 fls) com uma descrição detalhada do que teria ocorrido, passo a passo, na central japonesa de Fukushima Daiichi e uma sucinta comparação entre o tipo de reator utilizado naquela usina e o de nossas usinas de Angra 1 e 2. Como esse texto não consta ainda do site da Eletronuclear não pude utilizá-lo nesta postagem.

No entanto, essa referência permitiu-me achar dois textos muito interessantes no site da Eletronuclear -- o primeiro, emitido ontem, tem o título "Esclarecimentos sobre as diferenças entre as usinas do tipo PWR, existentes no Brasil, e as BWR, de Fukushima Daiichi, no Japão" e o outro, de 11/3/11 (data do terremoto e do tsunami no Japão), tem o título "A consideração dos terremotos nas usinas nucleares".

No primeiro artigo citado acima, o texto informa que há hoje no mundo cerca de 440 usinas nucleares em operação, das quais cerca de 65% utilizam reatores a água pressurizada (PWR), o mesmo modelo das usinas Angra 1 e Angra 2, e cerca de 25% usam reatores a água fervente, caso da central japonesa de Fukushima Daiichi -- outros 10% utilizam tecnologias que estão se tornando obsoletas e desaparecerão da matriz energética mundial na medida em que essas usinas cheguem ao final de sua vida útil. Esses dados demonstram a preferência da indústria nuclear pelo reator PWR, o que não quer dizer necessariamente que esta seja uma tecnologia mais segura que a BWR -- prova disso é  o acidente em 1979 com a central de Three Mile Island, nos EUA, que é uma usina PWR.

Num acidente com perda total da alimentação elétrica, como o ocorrido em Fukushima, um reator PWR permitiria que os operadores tivessem mais tempo para o restabelecimento da energia do que um BWR. A usina PWR conta com circuitos independentes e geradores de vapor, equipamentos que contêm uma quantidade significativa de água e que permitem que o resfriamento do reator ocorra por circulação natural até o restabelecimento de energia. sem a necessidade de se utilizar bombas acionadas por eletricidade. Veja o artigo citado.

O segundo texto menciona que o terremoto do Japão suscita questionamentos sobre os efeitos de um sismo nas proximidades das usinas brasileiras, em Angra dos Reis (RJ). Uma comparação direta entre as situações brasileira e japonesa não é adequada, pois enquanto o Japão está situado em uma região de alta sismicidade - causada pela proximidade da borda de placa tectônica, onde ocorrem cerca de 99% dos grandes terremotos -, o Brasil está em uma região de baixa sismicidade, em centro de placa tectônica. O artigo apresenta em seguida uma série de perguntas e respostas relativas ao assunto, veja seu texto.